Lidl deixa de vender produtos de plástico descartável

A partir de agosto, supermercados da cadeia deixam de ter copos e pratos em plástico descartável. A marca quer reduzir em 20% a utilização de plástico nos produtos

A cadeia alemã de supermercados Lidl anunciou que irá deixar de vender, a partir de agosto, produtos de plástico descartável, como copos e pratos, nas suas mais de 250 lojas em Portugal. É o primeiro passo de uma estratégia que irá ainda abranger a substituição de palhinhas e talheres nos produtos de conveniência e bebidas. A cadeia pretende reduzir em 20% a utilização de plástico nos produtos da marca até ao ano de 2025.

"Procuramos seguir uma abordagem clara quanto à nossa estratégia relativa aos plásticos, isto é: Evitar - Reduzir - Reciclar. Com o descontinuar da venda de artigos em plástico descartável evitamos a utilização deste material e contribuímos, assim, para uma melhoria do nosso balanço em matéria de plásticos", disse Bruno Pereira, administrador de compras do Lidl Portugal. Os artigos em causa serão substituídos por produtos em material alternativo e reciclável.

Em comunicado, o Lidl afirma ainda que tem vindo a "adotar diversas iniciativas com vista à redução de plástico", de que são exemplo as reduções nas embalagens das cápsulas de café - deixam de ter um invólucro de plástico por cápsula e passam a ter embalagens mais pequenas para o mesmo número de cápsulas. Estas alterações, afirma a empresa, "fazem prever uma poupança de cerca de 74 toneladas de plástico apenas neste produto em um ano".

Há mais exemplos. A quantidade de plástico usada por embalagem nos frutos secos foi reduzida, sem que tal tenha impacto no conteúdo em qualidade e quantidade. Na secção de Frutas e Legumes, Padaria e Frutos Secos e no caso dos têxteis, também já se promoveu a substituição das embalagens de plástico por embalagens de cartão.

Estas alterações, afirma a empresa, "fazem prever uma poupança de cerca de 74 toneladas de plástico apenas neste produto em um ano"

Para sensibilizar os consumidores, o Lidl tem trabalhado com associações ambientais, casos da ABAE, Amb3e,Quercus e Agência Portuguesa do Ambiente, no combate ao plástico nas praias portuguesas com o projeto de verão TransforMAR. O objetivo é sensibilizar a população e recolher plástico. Em vez de acabar a poluir o mar, o plástico será reciclado e transformado em equipamentos de atividade física que irão equipar as respetivas praias.

O administrador de compras, Bruno Pereira,informa ainda que haverá mais novidades: "Trabalhamos arduamente nos diferentes conceitos e continuaremos a manter os nossos clientes informados sobre quaisquer novidades e alterações. Em particular no que diz respeito às embalagens existem várias possibilidades interessantes que estão atualmente em fase de teste e que poderão efetivamente fazer a diferença."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.