Investigação DN. Crianças e Jovens em perigo: Que futuro?

Quem são estes jovens, de onde vêm, quem são e como trabalham os técnicos e outras entidades da sociedade para os apoiar? DN lança um trabalho semanal sobre esta temática.

Qual é hoje a realidade das crianças e jovens que se encontram em situação de perigo e estão à guarda do Estado? De acordo com o útimoi relatório CASA, em 2017, eram mais de 10 mil os que estavam nesta situação, 7553 estavam em acolhimento, a grande maioria em instituições, uma pequena parte, 246 em ambiente familiar. Que futuro lhes espera? Que projeto de vida lhes estará destinado? O regresso à familia biológica, a adoção, o apadrinhamento civil? Porque leva, por vezes, tanto tempo a chegar, a ser definido, porque perdem tantas vezes a idade para qualquer solução enredados nos pedidos de relatórios técnicos, nas intervenções nas famílias, nas decisões que tardam dos magistrados, etc.? São só os serviços do Estado que não funcionam com eficácia? São as mentalidades, quer de técnicos, de magistrados, e da própria sociedade que têm de mudar? O que pode a sociedade fazer para dar a estas crianças e jovens uma família, colo, afeto, esperança, projetos, para que um dia tenham algo mais do que uma vaga numa institução? O que está mal, o que deve mudar, por onde se pode ir?

Estas são algumas das perguntas que interpelam a nossa sociedade e a que o DN se propõe dar algumas respostas. Num trabalho de grande investigação, reportagem e análise fomos em busca das histórias, perguntámos a especialistas, tentamos apresentar soluções. A partir de hoje e durante o mês de maio. Siga aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.