Inovação na saúde

Com um foco constante na melhoria das condições de saúde do cidadão, as instituições de saúde, que se candidatam ao Prémio HINTT, têm apenas um objetivo: inovar na Saúde.

Durante a 3.ª Edição do HINTT - Health Intelligent Talks & Trends, que acontece este ano no dia 3 de outubro, vai realizar-se a entrega do Prémio HINTT ao vencedor de cada uma das quatro categorias: Startup Innovation; Clinical Outcomes; Patient Safety e Value Proposition. Mas antes de falar sobre o evento de 2019, é fundamental recordar os projetos vencedores da edição de 2018, que, pela sua capacidade de inovação tecnológica na área da Saúde, representam um impacto relevante para o desenvolvimento do setor. Os projetos "Your Healthcare Anywhere", "VISION", "ARI - Avaliação do Risco de Infeção" e "Saúde Agora" foram os quatro grandes vencedores e todos se destacaram na hora de avaliar o que de melhor se faz em Portugal na área da Saúde:

José Bastos - Knok Healthcare - Projeto "Your Healthcare Anywhere"

"Este Prémio validou a nossa visão e a nossa execução"

Qual foi a importância do Prémio para a Knok Healthcare?

O Prémio foi muito importante para nós. Quando se lança uma empresa tecnológica, a validação da solução e da nossa tecnologia são muito importantes. Isso é especialmente verdade no setor da Saúde, em que lidamos com pessoas doentes e informação clínica, considerada muito sensível. O Prémio HINTT teve um grande significado para a Knok, na medida em que uma empresa tecnológica especializada em saúde, como a Glintt, validou a qualidade da nossa tecnologia e os mecanismos de proteção da informação dos nossos clientes, bem como a sua facilidade de utilização e o potencial de integração com outros parceiros. Tudo somado, sentimos que este Prémio validou a nossa visão e a nossa execução!

Quais foram, na sua opinião, os fatores-chave para o projeto "Your Healthcare Anywhere" se ter destacado dos restantes?

Acredito que houve quatro fatores- -chave que ajudaram a Knok a destacar-se dos outros projetos, porque nem só de tecnologia se faz uma empresa tecnológica: a nossa visão para a saúde primária, que, acreditando que deve ser universal, se encontra definida com base em preços acessíveis e na facilidade do acesso aos nossos médicos; a tecnologia e experiência de utilização para o paciente e para o cliente com uma tecnologia sólida e fácil de utilizar; a nossa capacidade de integração com outras entidades do setor, entre as quais hospitais e seguradoras; e o potencial de escalar a Knok, a nível internacional (estamos presentes em Portugal e Espanha, vamos lançar no Brasil e em Itália e estamos atualmente a desenvolver um piloto na Áustria).

Que melhorias a conquista do Prémio HINTT 2018 trouxe para os doentes?

Acreditamos que vai ter um impacto muito relevante num futuro próximo. Estamos em conversas com entidades do universo Glintt sobre como melhorar a oferta e o impacto sobre a população. O desafio é que estejam atentos à Knok porque vamos ter mais novidades em breve!

Marina Borges - IPO-Porto - Projeto "VISION"

"O foco deve estar na criação de valor para os doentes"

Qual foi a importância do Prémio para o IPO-Porto?

É o reconhecimento externo do trabalho levado a cabo, que funcionou como elemento motivador dos profissionais. O Prémio foi também um excelente veículo de divulgação do Outcomes Research Lab, alavancando o potencial de parceria com entidades externas e incentivando a adoção de soluções similares por parte de outras organizações de saúde, tendo em vista o benchmarking entre instituições e a obtenção de ganhos (em saúde) ao nível do Sistema de Saúde.

Quais foram, na sua opinião, os fatores-chave para o projeto "VISION" se ter destacado dos restantes?

O VISION é uma ferramenta informática que agrega dados de várias fontes de informação existentes, permitindo uma visão holística do percurso do doente na instituição. A informação gerada é utilizada na tomada de decisões, na avaliação de tecnologias de saúde e na realização de estudos observacionais. Para o sucesso deste projeto foram fatores-chave: a cultura organizacional centrada no doente, aliada a uma propensão para a investigação; o empenho da gestão de topo e da gestão intermédia e o desenvolvimento da atividade, em parceria com os vários serviços do IPO-Porto.

Que melhorias a conquista do Prémio HINTT 2018 trouxe para os doentes?

O foco das instituições de Saúde deve estar na criação de valor para os doentes e não apenas na diminuição de custos. O VISION é uma ferramenta que permite avaliar os resultados obtidos, como a prestação de cuidados de saúde com valor para o doente, como é o caso da qualidade de vida durante e após o tratamento, a sobrevivência, a segurança e efetividade do tratamento, e os tempos de espera. Deste modo, o impacto para os doentes, embora não direto, surge quando esta informação é tida em conta para a tomada de decisão no tratamento da doença oncológica, ao nível das diferentes vertentes existentes no VISION.

Jorge Seco - Centro Hospitalar Lisboa Central - Projeto "ARI"

"Para continuar a fazer mais e melhor pelo doente"

Qual foi a importância do Prémio para o Centro Hospitalar Lisboa Central?

Na ótica dos profissionais de Saúde envolvidos, o Prémio HINTT permitiu dinamizar o procedimento e melhorar o envolvimento e a motivação dos profissionais no que respeita à respetiva disseminação por todos os polos hospitalares. Já na ótica dos profissionais não diretamente envolvidos, destacamos o contributo voluntário dos grupos para a criação de ideias e a sensibilização para a questão da Avaliação Inicial do Risco, que se reflete na adesão mais generalizada ao registo informático, que aumentou após a conquista deste reconhecimento público. Na ótica da equipa de desenvolvimento, este reconhecimento é também importante, porque somos uma equipa pequena e damos resposta a mais de 20 protocolos de desenvolvimento ativos. O nosso trabalho é amplamente reconhecido ao nível institucional, mas quando transcende as barreiras do domínio local é motivo de satisfação pessoal e um fator motivacional.

Quais foram, na sua opinião, os fatores--chave para o projeto "ARI - Avaliação do Risco de Infeção" se ter destacado dos restantes?

Tendo em conta a elevada qualidade dos restantes projetos, diria que o adequado enquadramento com a categoria (patient safety), o rigor e a objetividade da candidatura, a área de intervenção relativamente inexplorada, a execução técnica com base em elementos que representam uma mais-valia, a utilização dos recursos internos da instituição e algumas ideias originais e com bastante potencial terão sido fatores que contribuíram positivamente.

Que melhorias a conquista do Prémio HINTT 2018 trouxe para os doentes?

A participação dos profissionais, o reconhecimento do trabalho e o maior envolvimento num processo fundamental só poderão refletir-se numa melhor prestação de cuidados. Também o acesso facilitado, centralizado e em tempo real a este tipo de informação representa uma mais-valia no processo de apoio à tomada de decisão. Por outro lado, procedimentos como este são desenvolvidos com o doente, tendo sempre as suas necessidades em consideração. Este tipo de iniciativas pode ser a única recompensa que o profissional obtém pelo seu esforço e dedicação, que funciona como um fator motivacional para continuar a fazer mais e melhor pelo doente.

João Figueiredo - Santa Casa da Misericórdia do Porto - Projeto "Saúde Agora" e António Tavares - Santa Casa da Misericórdia do Porto - Projeto "Saúde Agora"

"Faz com que esses progressos cheguem a quem precisa"

Qual foi a importância do Prémio para a Santa Casa da Misericórdia do Porto?

O Prémio é de elevada importância, pois reconhece e incentiva as novas competências científicas e a aceitação de novas tecnologias, desenvolvidas pelas equipas multidisciplinares da SCMP, alertando para a necessidade de desenvolver este projeto de forma holística e integrada, na perspetiva de aumentar a esperança e a qualidade de vida. A inovação deste projeto e a atribuição do Prémio HINTT não se baseia apenas no desenvolvimento de novos produtos. Consideramos que também ajuda a promover novos modelos de negócio, oferece novos serviços e melhora os processos para tornar mais fácil a vida das pessoas. Mas, acima de tudo, faz com que esses progressos cheguem a quem precisa.

Quais foram, na sua opinião, os fatores-chave para o projeto "Saúde Agora" se ter destacado dos restantes?

O objetivo de diminuir a distância entre a população idosa e as novas tecnologias, potenciando um envelhecimento mais autónomo e seguro é, sem dúvida, um fator diferenciador. Colocar o utente da SCMP no centro do sistema é uma das transformações mais significativas verificadas nas últimas décadas no domínio da prestação de cuidados de saúde. Conceber e desenhar o Sistema de Saúde na lógica de um continuum de prestação de serviços, é hoje um enorme desafio para a sociedade.

Que melhorias a conquista do Prémio HINTT 2018 trouxe para os doentes?

Uma vida com qualidade para os idosos do futuro poderá passar por um estilo de vida saudável, pelo sentimento de viver em segurança e pela manutenção da participação social e dos cuidados de Saúde. Neste contexto, a conquista do Prémio HINTT aumentou a confiança e a segurança dos utentes que utilizam a solução. Atribuiu visibilidade a uma solução que diminui a distância entre a população idosa e as novas tecnologias, promovendo a rápida adesão à utilização de metodologias de aprendizagem simples e intuitivas. Por consequência, tal promove o contacto com familiares e amigos, potencia o desenvolvimento das TIC nos serviços prestados às pessoas, e alerta para a mudança de paradigma no recurso às tecnologias para apoio ao envelhecimento ativo, aumentando a responsabilidade social e envolvendo toda a comunidade.

CANDIDATURAS AO PRÉMIO HINTT 2019 ATÉ 31 DE MAIO. Mais informação em hintt.glintt.com

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?