Facebook refuta desmantelamento: "Com o sucesso, vem a responsabilidade!"

O cofundador do Facebook, Chris Hughes disse que a empresa devia ser "desmantelada", separando o Whatsapp e o Instagram. Mark Zuckerberg rejeita essa ameaça e sugere "novas regras" nas redes sociais

O Facebook já reagiu às declarações feitas pelo seu cofundador, esta quarta-feira, segundo as quais esta empresa de redes sociais devia ser "desmantelada". Num artigo de opinião publicado esta quinta-feira no New York Times , Chris Hughes avança que "está na hora de desmantelar" o Facebook, que tem dois mil milhões de seguidores e separar o Whatsapp e o Intagram - cada um com mil milhões de subscritores.

O porta-voz de Mark Zuckerberg diz que este se recusa a separar as empresas e que o foco deve ser a regulação da internet. "O Facebook aceita que, com sucesso, vem a responsabilidade. Mas não se impõe a responsabilidade exigindo o desmembramento de uma empresa americana de sucesso", disse o porta-voz do Facebook, Nick Clegg, em comunicado.

A responsabilidade das empresas de tecnologia só pode ser alcançada através da introdução meticulosa de novas regras para a Internet. É exatamente isso que Mark Zuckerberg pediu ", acrescentou. Zuckerberg estará em Paris esta sexta-feira para discutir a regulamentação da Internet com o presidente francês Emmanuel Macron.

O Facebook tem estado sob escrutínio de reguladores em todo o mundo sobre práticas de partilha de dados, bem como por causa de publicações com discurso de ódio e desinformação nas suas redes. Alguns legisladores dos EUA têm pressionado para o desmantelamento das grandes empresas de tecnologia, bem como em relação à regulamentação federal sobre privacidade.

"Somos uma nação com tradição de controlar os monopólios. Não importa quão bem-intencionados estejam os líderes dessas empresas. O poder de Mark é inédito e antiamericano", disse Hughes, ex-colega de faculdade do executivo-chefe do Facebook, Mark Zuckerberg.

O senador democrata norte-americano Richard Blumenthal disse à CNBC que acha que o Facebook deveria ser desmembrado e que a divisão anticoncorrencial do Departamento de Justiça tem que abrir uma investigação.

Hughes cofundou o Facebook em 2004 em Harvard com Zuckerberg e Dustin Moskovitz. Deixou a empresa em 2007. "Passaram 15 anos desde que eu cofundei o Facebook em Harvard, e não trabalho na empresa há uma década. Mas sinto uma sensação de raiva e responsabilidade", disse Chris Hughes.

O Facebook perdeu vários executivos depois de uma série de escândalos de privacidade e desinformação desde 2016. Os fundadores do Instagram e do WhatsApp saíram, assim como o executivo que assumiu o WhatsApp, no ​​ano passado.

Para Hughes "O governo deve responsabilizar Mark Zuckerberg. Durante muito tempo, os legisladores ficaram maravilhados com o crescimento explosivo do Facebook e negligenciaram sua responsabilidade de garantir que os americanos fossem protegidos e os mercados competitivos".