Facebook cria ferramenta que identifica automaticamente "revenge porn"

A empresa liderada por Mark Zuckerberg anuncia um sistema de inteligência artificial para combater a publicação de imagens íntimas sem o consentimento dos intervenientes, de forma a conseguir filtrar esses conteúdos sem que haja sequer queixa.

O Facebook assume querer intensificar a luta contra o "revenge porn" e declarou esta sexta-feira ter uma nova tecnologia de inteligência artificial para tal. A nova tecnologia permite que a empresa consiga detetar imagens e vídeos compartilhados sem consentimento "proativamente", sem nenhum tipo de queixa anterior.

A partilha de fotografias e/ou vídeos íntimos de terceiros na Internet, como um ato de "vingança", até à data, só eram detetáveis através de queixas de utilizadores, através própria vítima ou do programa "piloto não consensual de imagens íntimas", uma "opção de emergência", em que os utilizadores podem enviar as suas fotos intimas para a empresa e a rede social certifica-se de impedir que estas sejam partilhadas online.

De acordo com a chefe global de segurança do Facebook, Antigone Davis existe uma necessidade forte de implementar este programa pois, muitas vezes, "as vítimas têm medo da vingança e resistem a denunciar o conteúdo, ou não sabem que o conteúdo foi partilhado".

Apesar de ser a inteligência artificial a detetar a situação, são os membros da equipa de Operações Comunitárias do Facebook que ficarão encarregues de analisar o conteúdo sinalizado e remover as imagens ou vídeos e remover a conta do utilizador que compartilhou o conteúdo abusivo.

Além da utilização da nova tecnologia, o Facebook afirma ter criado também uma nova ferramenta que difunde informações úteis para quem sofra de "revenge porn", como o que fazer, a quem dirigir a queixa, chamado de "Não Sem o Meu Consentimento".

Documentos do Facebook, tornados públicos pelo The Guardian mostram que quase 54.000 incidentes de extorsão sexual e vingança foram denunciados em janeiro de 2017, em que 33 casos envolviam crianças. A situação originou a eliminação de 14.000 contas, em apenas um mês. Nesta altura, apenas as queixas das vítimas eram utilizadas pela rede social para encontrar os casos de revenge porn.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.