Esquizofrenia, canábis e álcool aceleram envelhecimento cerebral

Estudo, que envolveu mais de 30 000 indivíduos, com idades compreendidas entre os 9 meses e os 105 anos, debruçou-se sobre os fatores que conduzem ao envelhecimento do cérebro

O consumo excessivo de canábis corresponde a 2,8 anos de envelhecimento acelerado do cérebro, enquanto o abuso de álcool acelera 0,6 anos o processo normal de envelhecimento cerebral. Estas são algumas das conclusões de um dos maiores estudos feitos com base em imagens cerebrais, cujas conclusões foram publicadas recentemente no IOS Press. Da lista de comportamentos e doenças que aceleram o envelhecimento fazem parte, ainda, a esquizofrenia, o défice de atenção e hiperatividade e o transtorno bipolar.

Conduzido por investigadores do grupo Amen Clinics (de Costa Mesa, na Califórnia), da Google, da Universidade John's Hopkins, da Universidade da Califórnia e de Los Angeles, o estudo permitiu analisar 62 454 tomografias computadorizadas por emissão de fotão único ao cérebro de mais de 30 000 indivíduos com idades compreendidas entre os nove meses e os 105 anos. O objetivo, lê-se no IOS Press, era investigar os fatores que conduzem ao envelhecimento precoce do cérebro.

"Com base num dos maiores estudos de imagens cerebrais já realizado, conseguimos detetar doenças e comportamentos comuns que envelhecem prematuramente o cérebro. Um melhor tratamento desses distúrbios pode retardar ou mesmo travar o processo de envelhecimento cerebral", diz Daniel G. Amen, psiquiatra e principal autor do estudo.

Relativamente à canábis, o também fundador do grupo Amen Clinics diz que "a descoberta foi especialmente importante, já que na nossa cultura a marijuana está a ser vista como uma substância inócua".

No âmbito da investigação, foram analisados exames de pacientes da clínica, para perceber de que forma os distúrbios estavam associados a um envelhecimento acelerado do cérebro. Para isso, os investigadores estudaram 128 regiões cerebrais e compararam a idade real dos pacientes com aquela que era indicada pelos exames, para chegarem à diferença.

Entre os vários distúrbios e comportamentos, a esquizofrenia foi aquela que foi associada a um envelhecimento mais rápido do cérebro (quatro anos), seguindo-se o consumo excessivo de canábis (2.8 anos), o transtorno bipolar (1.6 anos), o défice de atenção e hiperatividade (1.4 anos) e o abuso de álcool (0.6 anos).

Um dado curioso, dizem os investigadores, foi não existir uma relação entre a depressão e o aceleramento do processo de envelhecimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.