Desvendado mistério dos corpos queimados e sepultados em Stonehenge

Muitos são os mistérios que rodeiam Stonehenge, mas pelo menos um pode ser riscado da lista: de onde vieram os corpos que aí foram sepultados há cinco mil anos.

A descoberta dos restos mortais de 58 pessoas remonta às primeiras escavações, entre 1919 e 1926, e as razões porque aqui foram sepultadas sempre intrigaram os cientistas. Essa descoberta ainda não foi feita, mas sabe-se agora que não era habitantes das redondezas. O estrôncio presente nas ossadas mostra que muitas delas, ou os seus restos mortais, chegaram aí depois de percorrer centenas de quilómetros.

A conclusão pertence à equipa de Christophe Snoeck, químico da Universidade Livre de Bruxelas, e foi publicado na Nature. Apesar das altas temperaturas terem destruído o material genético dos restos mortais encontrados, os cientistas recorreram aos vestígios de estrôncio para determinar a sua origem.

Este metal de cor prateada situa-se abaixo do cálcio e como a sua estrutura é tão similar, os ossos acabam muitas vezes por absorver esta substância. E foi isso que os investigadores analisaram em ossadas de 25 pessoas, chegando à conclusão de que dez delas se alimentavam de vegetais do oeste de Gales na última década de vida.Uma viagem que pode estar relacionada com o transporte das pedras que compõem o monumento.

Por descobrir mantêm-se as razões que levaram os habitantes das montanhas de Preseli, a percorrer 225 quilómetros para depositar 80 rochas no sul de Inglaterra.

Bem como, o que significa Stonehenge: era um observatório astronómico, um templo religioso, um lugar de encontro de druidas, um sanatório ou um monumento à paz?

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.