Descoberta mutação do VIH na província canadiana de Saskatchewan

Vírus da sida está a atingir especialmente comunidade indígena, mas afeta toda a população

Uma mutação de estirpes do VIH pode levar a um desenvolvimento mais acelerado de doenças relacionadas com a sida, de acordo com um estudo feito na região canadiana de Saskatchewan, que tem das taxas mais altas da doença neste país da América do Norte, revela um estudo publicado na revista científica Aids, também noticiado pelo jornal britânico The Guardian . Embora cerca de 80% dos afetados sejam indígenas, o vírus está a afetar indiscriminadamente a população.

"Alguns médicos de Saskatchewan começaram a relatar casos de pessoas que estavam a ficar mal com o VIH muito rapidamente", diz Zabrina Brumme, a principal autora do estudo publicado na revista Aids e professora na Universidade Simon Fraser, em Vancouver.

Saskatchewan tem das taxas mais elevadas de infetados com VIH da América do Norte. A maioria das pessoas que contraíram esta infeção são indígenas (80%), mas o vírus afeta toda a população.

"Queremos deixar claro que o VIH em Saskatchewan tem um potencial para se disseminar rapidamente por qualquer pessoa", explica Brumme. "Isto não é um problema de saúde de um grupo restrito de pessoas", acrescenta.

No entanto, a propagação pode ser controlada com o tratamento habitual contra o vírus. Uma vez medicado e devidamente acompanhado por um médico, o paciente pode ter uma vida igual a alguém saudável.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.