Descoberta mutação do VIH na província canadiana de Saskatchewan

Vírus da sida está a atingir especialmente comunidade indígena, mas afeta toda a população

Uma mutação de estirpes do VIH pode levar a um desenvolvimento mais acelerado de doenças relacionadas com a sida, de acordo com um estudo feito na região canadiana de Saskatchewan, que tem das taxas mais altas da doença neste país da América do Norte, revela um estudo publicado na revista científica Aids, também noticiado pelo jornal britânico The Guardian . Embora cerca de 80% dos afetados sejam indígenas, o vírus está a afetar indiscriminadamente a população.

"Alguns médicos de Saskatchewan começaram a relatar casos de pessoas que estavam a ficar mal com o VIH muito rapidamente", diz Zabrina Brumme, a principal autora do estudo publicado na revista Aids e professora na Universidade Simon Fraser, em Vancouver.

Saskatchewan tem das taxas mais elevadas de infetados com VIH da América do Norte. A maioria das pessoas que contraíram esta infeção são indígenas (80%), mas o vírus afeta toda a população.

"Queremos deixar claro que o VIH em Saskatchewan tem um potencial para se disseminar rapidamente por qualquer pessoa", explica Brumme. "Isto não é um problema de saúde de um grupo restrito de pessoas", acrescenta.

No entanto, a propagação pode ser controlada com o tratamento habitual contra o vírus. Uma vez medicado e devidamente acompanhado por um médico, o paciente pode ter uma vida igual a alguém saudável.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.