Descoberta em Angola nova espécie de sapo-pigmeu que não tem ouvidos

A serra da Neve, no sudoeste de Angola, é um paraíso de biodiversidade, que só agora começou a ser estudado. O biólogo Luís Ceríaco fala do projeto e do novo atlas dos répteis e anfíbios do país, que é lançado em setembro.

Teria de ser ao lusco-fusco, o momento certo para apanhar sapos, rãs, lagartos ou pequenas cobras. "É a altura em que répteis e anfíbios estão mais ativos", explica o biólogo Luís Ceríaco. "Apontámos as lanternas para o chão, e lá estavam eles, uns sapos minúsculos, aos saltos", conta, satisfeito. Estavam a 1500 metros de altitude, pouco mais de meio da Serra da Neve, o monte imenso que se ergue majestoso na paisagem desértica a perder de vista, a quase 2700 metros, no norte da província do Namibe, em Angola. Capturar alguns daqueles sapos-pigmeus - é assim que se chamam - foi uma brincadeira de crianças. Mas o melhor ainda estava para vir. O sapo, de apenas três centímetros, era afinal uma nova espécie.

Luís Ceríaco, da Universidade de Villanova, nos Estados Unidos, e do Museu Nacional de História Natural e da Ciência, da Universidade de Lisboa, que liderou a expedição à serra da Neve, em dezembro de 2016, e a sua equipa, que incluiu a bióloga angolana Suzana Bandeira, do Instituto Nacional de Biodiversidade e Áreas de Conservação de Angola, acabam de publicar a descrição da nova espécie na revista científica Zookeys. Batizaram-na como Poyntonophrynus pachnodes - o último nome, palavra grega para "gelado", alude à montanha onde foi encontrada, e às temperaturas naquelas altitudes.

"Esta descoberta, entre muitas outras que ali têm sido feitas nos últimos anos, é um exemplo claro de como é rica, e ainda tão desconhecida, a biodiversidade de Angola", garante Luís Ceríaco. Este sapo, que os autores descrevem como endémico da imponente serra angolana, é mais uma peça no puzzle dos répteis e anfíbios da região, e contribui para um retrato mais claro da sua diversidade e história evolutiva.

Uma ilha de biodiversidade

Terminada a campanha à serra da Neve, que durou três semanas, foi já no laboratório, quando olhou bem para o pequeno sapo através da lupa binocular, que Luís Ceríaco teve uma enorme surpresa. "Ficámos espantados", confessa. O animal não tinha ouvidos nem tímpano, e para verificar se não possuía nada da estrutura auditiva, nem sequer o ouvido interno, os biólogos decidiram fazer estudos por TAC (tomografia computorizada), confirmando a inexistência daquele órgão básico, que é comum à esmagadora maioria dos vertebrados - mas não ao sapo pachnodes.

Esta descoberta, entre muitas outras que ali têm sido feitas nos últimos anos, é um exemplo claro de como é rica, e ainda tão desconhecida, a biodiversidade de Angola"

Aquela não era a primeira vez que se encontrava um sapo-pigmeu. Já um exemplar sem ouvidos era coisa mais rara. "Nos anfíbios, e nesta grande família que engloba sapos e rãs, há algumas linhagens que não têm a estrutura auditiva, mas não sabemos se a sua origem foi a pressão seletiva, vantagens ecológicas, ou uma perda acidental, no decurso da evolução", explica Luís Ceríaco. O sapo pachnodes "é uma peça nova no puzzle". Talvez possa "ajudar a solucionar o mistério".

Porquê? Porque foi encontrado numa espécie de ilha, que é aquela montanha imensa, isolada no resto da paisagem. "A sua presença ali sugere que o género dos sapos-pigmeus, que se encontram nesta zona do sudoeste de Angola, na Namíbia e na África do Sul, se expandiram a partir deste ponto. Não há muitas destas espécies descritas, e daí, também, a sua relevância científica", sublinha o biólogo.

Novo atlas, mais de um século depois

Natural de Évora, foi ali, na universidade, que Luís Ceríaco fez biologia, incluindo mestrado e doutoramento. Depois rumou a São Francisco, nos Estados Unidos, para se especializar em herpetelogia, o estudo de répteis e anfíbios. Pelo caminho, descobriu várias espécies novas em São Tomé e Príncipe - um musaranho, uma cobra-preta, um lagarto de espinhos e três lagartixas - e desde 2012 integra este projeto em Angola, uma parceria entre o Ministério do Ambiente angolano e universidades americanas e portuguesas, cujo objetivo é fazer o levantamento e o estudo dos répteis e anfíbios do país. Nesse âmbito, Luís Ceríaco já liderou quase uma dezena de expedições.

A de 2016, à serra da Neve, ainda não está esgotada. "Estamos a estudar uma osga e um lagarto que poderão ser também espécies novas", adianta o investigador. Mas o regresso àquele paraíso de biodiversidade - e a outros - impõe-se. "Queremos voltar, nessa altura com outros especialistas em fauna e flora."

Para o biólogo, descobrir novas espécies - esta já é a sua nona - nunca se tornou banal. "É sempre excitante, e cada vez mais, porque ainda há tanto para fazer", diz. "Sabemos que há milhares e milhares de espécies que ainda não conhecemos, e algumas delas não chegaremos sequer conhecer, porque a intervenção humana está a delapidar o mundo natural", explica. Por isso vê o seu trabalho como "uma corrida contra o tempo", para identificar espécies novas e poder agir, para a sua proteção e conservação.

Já no final de setembro, é tempo de um outro marco importante do projeto: a publicação atualizada do Atlas dos Répteis e Anfíbios de Angola, com todos os dados desde meados do século XIX até 2017. O novo sapo-pigmeu da serra da Neve ainda não estará lá, claro, mas ele será posteriormente atualizado, e enriquecido com fotografias e outros dados.

"O último atlas de répteis e anfíbios de Angola, do naturalista José Vicente Barbosa du Bocage, é de 1895", lembra Luís Ceríaco. O que já se descobriu depois disso é todo um novo mundo de conhecimento, que em breve verá a luz do dia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.