Como está e como pode sobreviver a saúde em Portugal? Ministra da Saúde abre discussão

No próximo dia 2 de abril, o Centro Cultural de Belém acolhe uma conferência sobre sustentabilidade na saúde. Atuais e antigos ministros surgem entre os convidados.

Oito anos após a primeira edição da Conferência Sustentabilidade em Saúde, o tema ainda é motivo de discussão. Este ano, acontece a 2 de abril, no Centro Cultural de Belém, às 09:30, sob organização da AbbVie, empresa biofarmacêutica. A ministra da Saúde, Marta Temido, é a cabeça de cartaz deste encontro, ao lado de presidentes de algumas das maiores instituições de saúde portuguesas e catedráticos, incluídos no rol de oradores desta 8ª edição.

É mesmo Marta Temido quem irá abrir a conferência, ao lado do diretor-geral da AbbVie, Carlo Pasetto.

Já no primeiro painel, o professor catedrático da NOVA Information Management School (NOVA-IMS), Pedro Simões Coelho, irá apresentar os resultados dos primeiros indicadores de sustentabilidade em Saúde em Portugal, referentes a 2018. Ao seu lado, para discutir as conclusões, estará Maria Antónia Almeida Santos, deputada do Partido Socialista (PS) e vice-Presidente da Comissão de Saúde, bem como Ricardo Baptista Leite, também ele deputado do Partido Socialista Democrata (PSD) e coordenador do Grupo Parlamentar da Comissão de Saúde.

O segundo painel será dedicado à inovação na saúde. Hugo Espirito Santo e Jorge Santos da Silva, parceiros da McKinsey & Company, empresa de norte-americana líder mundial no mercado de consultoria empresarial, irão apresentar o estudo "O impacto do medicamento em Portugal". A eles, juntam-se os dirigentes de várias intituições de relevo no país, tais como da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (APIFARMA), da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH), da Associação Abraço e ainda da Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR).

A entrada é gratuita, mas sujeita a inscrição, feita através deste link.

O Diário de Notícias e a TSF serão media partners deste encontro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.