Colocações da 2.ª fase. Restam 6734 vagas. São quase todas no interior

87% dos estudantes que se candidataram ao ensino superior ficaram colocados na primeira fase do concurso. Esta segunda-feira começa a segunda etapa das candidaturas, já sem lugares disponíveis em cinco instituições, mas com 38 cursos com todas as vagas por preencher.

As candidaturas à segunda fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior abrem esta segunda-feira. Restam 6 734 vagas, menos 556 que no ano passado. No entanto, há 38 cursos onde não foi colocado um único candidato, a maioria fica em universidades do interior.

Entre os cursos desertos estão sete de Engenharia Civil, cinco de Engenharia Eletrotécnica e dois de Educação Básica. Quase todos localizados em universidades do interior que, indiferentes ao desafio lançado pelo Governo para atrair mais estudantes para o interior, ficaram com o maior número de lugares por preencher. Das 6734 vagas disponíveis, cerca de cinco mil pertencem a escolas localizadas fora dos grandes centros urbanos. ​​

O Instituto Politécnico de Bragança foi das instituições que mais lugares colocaram à disposição e também das que ficaram com mais vagas para a segunda fase. Ocuparam 808 lugares dos 2042 disponíveis. Para a segunda fase estão assim por preencher 1246 vagas. Seguem-se o Instituto Politécnico de Viseu (531), de Castelo Branco (426), da Guarda (373), de Viana do Castelo (338), de Leiria (330), de Setúbal (325) e de Tomar (304).

Já entre os cursos com mais vagas disponíveis estão Engenharia de Energias Renováveis no Instituto Politécnico de Bragança (66 vagas), Enfermagem Veterinária na mesma escola (59) e Engenharia Informática no Instituto Politécnico da Guarda (52 vagas).

As candidaturas à segunda fase começam esta segunda-feira e podem ser feitas até 20 de setembro. As vagas disponíveis resultam dos lugares que ficaram por preencher durante a primeira fase e das desistências que possam existir durante as matrículas. Os resultados serão conhecidos a 26 de setembro.

Há cinco instituições sem vagas

Na Universidade Nova de Lisboa, no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE) e nas três escolas de enfermagem de Lisboa, Porto e Coimbra já não há lugares para os estudantes que se pretendam candidatar à segunda fase.

"A Universidade Nova de Lisboa é a única universidade generalista do país a ocupar 100% das vagas disponíveis na primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público 2019-2020 com a colocação de 2577 alunos. Este é o melhor resultado de sempre alcançado pela Universidade", indicou o instituto superior, em comunicado.

Também o ISCTE destaca o "índice de força" da escola, que aumentou a nota média de entrada para 14,7 valores e que recebeu 1933 candidaturas em primeira opção para as 1109 vagas disponíveis.

1.º fase do concurso

Os resultados da primeira fase foram conhecidos este domingo. Ficaram colocados na primeira etapa do concurso 87,2% dos candidatos, sendo que mais de metade - 53,1% - conseguiram entrar no curso que colocaram como primeira opção.

Entraram no ensino superior, para já, 44 500 estudantes, mais 1,2% do que em 2018 segundo dados da tutela. A média mais alta (18,9 valores) pertence ao curso de Engenharia Aeroespacial no Instituto Superior Técnico, em Lisboa, seguido do curso de Engenharia Física e Tecnologia, na mesma instituição.