Premium

Ranking das escolas

Colégio de São Miguel: "Coração de ouro e punho de ferro"

Este colégio de Fátima, com contrato de associação, é o que mais faz pela evolução dos alunos no ensino secundário, segundo o ranking. Para alunos e professores, é consequência da atenção e exigência que impõem.

"Nós podíamos propor ao diretor uma campanha de recolha de pilhas", sugere Guilherme Simões. O aluno do 11.º ano de Artes do Colégio de São Miguel, em Fátima, está numa assembleia de alunos do protejo eco-escolas, uma iniciativa dedicada à sustentabilidade ambiental. "O pilhão está no bar, mas as pessoas esquecem-se dele. Quando andava no sexto ano lembro-me de ter angariado quilos de pilhas, porque criaram um concurso. Podíamos dar como prémios materiais para as aulas de cada curso."

A proposta foi bem aceite pelos colegas. Criou-se uma equipa de voluntários para meterem mãos à obra e para refletirem sobre a ideia de premiar quem contribuísse para encher mais o pilhão. A preocupação e o olhar apurado são deles, alunos. Conhecem os passos a dar para concretizar este género de ações e dizem que o gabinete do diretor está sempre aberto para os receber. Estão habituados a apresentar propostas, a organizar ações e a liderar projetos. "Os alunos conhecem-se todos uns aos outros e nos projetos vamos buscar os melhores atributos de cada um para fazermos atividades melhores", refere João Jesus, finalista na área de Ciência e Tecnologias. Fazem-no diariamente nos muitos clubes, fora do horário letivo, "que têm um efeito direto na forma como os alunos vivem a escola, como se entusiasmam", diz o diretor pedagógico do colégio, Virgílio Mota. Há oficinas de cerâmica, pintura, português, inglês, música, direitos humanos, desporto, videoclube.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?