Cientistas chineses corrigem cálculos de Newton com mais de 300 anos

Equipa da Universidade de Ciência e Tecnologia de Huazhong conseguiu precisar ainda mais os cálculos do homem que pela primeira vez descreveu a gravidade

Uma equipa liderada pelo cientista Luo Jun, da Universidade de Ciência e Tecnologia de Huazhong, na China, trabalha na correção dos cálculos definidos por Newton, em 1686, relativamente à chamada constante gravitacional (G). E anunciaram que os conseguiram corrigir. Apesar do avanço, os cálculos de Newton ficaram mais precisos, mas "o verdadeiro valor de G permanece desconhecido", admite o cientista chinês. O trabalho realizado pela sua equipa foi agora publicado na revista Nature.

Luo Jun sublinha que a busca pela maior precisão possível não é um capricho. Os geofísicos usam a constante G para estudar a estrutura e composição da Terra, por exemplo. Além disso, o valor do G é essencial em áreas como a física de partículas e cosmologia, parte da astronomia que estuda a origem e o futuro do universo.

Mas "o verdadeiro valor de G ainda é desconhecido", assume o professor, explicando que a dificuldade de medir a constante G é diabólica.

Isto porque a gravidade é uma força força "extremamente fraca", nas palavras de Luo. Apesar de o campo gravitacional do Sol ser tão grande que impede que o planeta Terra fuja através do espaço (e o da Terra impossibilitar que andemos a pairar), a força gravitacional entre dois objetos de um quilograma separados por um metro equivale ao peso de um pequeno número de bactérias.

De acordo com o jornal espanhol El País, o Comité de Informação para Ciência e Tecnologia (CODATA), com sede em Paris, é o órgão de referência internacional para essa constante. Em 2014, os especialistas adotaram 14 valores de G determinados nas últimas quatro décadas em diferentes laboratórios em todo o mundo. "A diferença relativa entre o maior e o menor valor de G está próxima de 0,055%. Essa situação não nos permite obter um valor G com alta precisão ", lamenta Luo.

Apesar da precisão dos resultados agora alcançados, os cientistas chineses obtiveram dois dados diferentes com dois dispositivos ligeiramente diferentes e independentes, e não sabem como explicar essa discrepância. "Há algo que ainda não sabemos e que precisamos de mais pesquisas", diz Luo. Ou talvez precisemos de outro Newton.

A equipa liderada por Luo Jun corrigiu a experiência de Newton com esferas de aço e câmaras de vácuo, que atingiu duas medidas semelhantes com dois dispositivos independentes : 6,674184 × 10^-11 e 6,674484 × 10^-11 metros cúbicos por quilograma por segundo quadrado. Mas a investigação pela precisão vai prosseguir. As novas medidas estão agora publicadas na revista Nature.

(Retificada: corrige a data dos cálculos de Newton)

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.