"Captain June" tem uma missão aos 95 anos: salvar tartarugas na Turquia

Há 30 anos que a britânica June Haimoff assentou na praia turca de Iztuzu, onde nem as luzes artificiais são permitidas à noite, para não incomodar a reprodução dos animais

Foi na década de 1980 que a britânica June Haimoff, agora com 95 anos, se cruzou com tartarugas na costa sul da Turquia, onde se estabeleceu e se apaixonou imediatamente pela espécie. Três décadas passadas, ainda vibra ao olhar para a praia de Iztuzu, que tem uma extensão de areia de cerca de 4 quilómetros que faz uma barreira entre o Mediterrâneo e o rio Dalyan.

O encontro com as tartarugas mudou o rumo de todos: dos animais, de June, daquela praia onde ainda luta para que continue um ambiente natural para a espécie se reproduzir sem ameaças.

"Quando vi uma tartaruga a pôr ovos, fiquei imóvel. Recordo as lágrimas nos olhos e desde esse dia comecei a guardar toda e qualquer informação sobre elas", referiu June Haimoff à Reuters.

"Sou uma mulher apaixonada por tartarugas", disse June Haimoff, carinhosamente conhecida por "Captain June" devido ao seu amor pelo mar. Explica ainda a visitantes todas as ameaças que existem aos animais e treina jovens na área da preservação ambiental.

A praia de Iztuzu tornou-se assim zona de foco no que as tartarugas diz respeito, surgindo inclusivamente, há cerca de dez anos, do Centro de Resgate de Tartarugas, que trata espécimes feridos em várias praias turcas. Yakup Kaska, o presidente do centro onde foi voluntário nos primeiros dias do projeto de conservação, diz que as principais ameaças que as tartarugas enfrentam são serem atingidas pelas hélices de barcos, engolirem ou ficarem presas em linhas e redes de pesca e comer plástico que julgam ser alforreca.

Ainda na já referida década de 80, especificamente em 1987, conseguiu, com um grupo de amigos, bloquear a construção de um hotel que iria colocar em perigo a zona onde as tartarugas se reproduzem. Desde então que a praia ficou protegida e que toda a construção está proibida. Até as luzes artificiais à noite estão banidas, o que mantém turistas longe das tartarugas, para que o ritual reprodutivo seja feito em total paz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.