Bruno Caetano diz-se ameaçado de morte por ter convidado Mário Machado

O autor da rubrica Diga de Sua (In)Justiça, Bruno Caetano, que convidou o líder da Nova Ordem Social, Mário Machado, condenado por crimes de ódio racial, para o programa de Manuel Luís Goucha, defende-se dos ataques que lhe estão a ser feitos.

No Facebook, Bruno Caetano assume que convidou Mário Machado para o programa "Você na TV", da TVI, da passada quinta-feira. Perante a polémica gerada em torno da entrevista feita por Manuel Luís Goucha ao líder da Nova Ordem Social, o autor da rubrica Diga de Sua (In)Justiça diz que nada justifica as ameaças de morte e as ofensas que estão as ser feitas a si e à sua família.

"Para que fique bem esclarecido, quando convidei o cidadão Mário Machado ficou sempre evidente que se tratava pura e simplesmente de uma entrevista que falava das convicções deste acerca de Salazar. Mário Machado criou um movimento que se chama Nova Ordem Social e vão em breve realizar uma manifestação onde dizem que vão celebrar Salazar. Tema que me levantou muitas dúvidas". escreve Bruno Caetano.

Defende ainda que "vivemos num estado democrata e todos temos opinião. Se concordamos uns com os outros, isso já é outro assunto". Sobre o que disse e que causou forte celeuma defende-se: "Disse que fazia falta mais autoridade, sim verdade! Provavelmente exagerei quando disse que seria a autoridade do Salazar. A verdade é que estou cansado de tanto crime. Fui mal interpretado. Ainda assim nada vos dá o direito de me ameaçar de morte ou mesmo ofender a minha pessoa e a minha família".

Bruno Caetano - cuja ausência de carteira profissional de jornalista já mereceu uma queixa por parte do sindicato da classe profissional - ainda que Mário Machado foi entrevistado por Manuel Luís Goucha e a maneira como o apresentador debateu "é um dos exemplos como se deve lidar com este tipo de temas. Debatendo!"

Manuel Luís Goucha já tinha garantido em entrevista ao jornal Público que não foi ele quem convidou Mário Machado, líder da Nova Ordem Social várias vezes condenado por crimes de ódio racial, para o seu programa Você na TV!, da TV, com o tema "Precisamos de um novo Salazar?".

O programa causou uma enorme polémica nas redes sociais motivando inclusive várias queixas para a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC). Goucha justificou que foi o autor da rubrica "Diga de Sua (In)Justiça" que convidou Mário Machado. "A minha primeira pergunta no programa de ontem foi dirigida ao autor da rubrica: 'Bruno Caetano, eu cheguei no dia 26 e soube que íamos ter este convidado, porque é que o convidaste?' Ele explicou e a partir daqui fizemos uma conversa com o Mário Machado procurando, eu e a Maria Cerqueira Gomes [coapresentadora], fazer sempre o contraditório", explicou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.