Bastonário da Ordem dos Médicos: "Não posso garantir" que não morram doentes por causa da greve

O bastonário da Ordem dos Médicos reuniu-se esta segunda-feira com os diretores dos cinco hospitais afetados pela greve dos enfermeiros, que dura há mais de duas semanas. Voltou a apelar ao governo para resolver a situação. A greve terá já adiado cerca de cinco mil cirurgias

À saída da reunião com os diretores clínicos dos hospitais onde está a decorrer a greve dos enfermeiros da área cirúrgica, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, manifestou preocupação com os efeitos desta paralisação. À pergunta: "pode garantir que não haja doentes a morrer por causa da greve?", respondeu: "Não posso garantir isso". "Não posso garantir que alguns doentes não possam ser prejudicados e de forma complexa", acrescentou aos jornalistas. Existiram cirurgias de doentes prioritários adiadas "porque nem todos conseguiram entrar nos chamados serviços mínimos".

Para Miguel Guimarães este é o problema que vai além dos cinco centro hospitalares afetados pela greve que começou a 22 de novembro e que deverá durar até ao final do mês. "É um problema nacional, porque envolve o Serviço Nacional de Saúde". Devido a esta paralisação, o bastonário conta que, por exemplo, o Hospital de Santa Maria já transferiu alguns doentes prioritários para outras unidades hospitalares, como o Hospital de São José e o Hospital Beatriz Ângelo. A preocupação que lhe foi transmitida pelos cinco diretores clínicas prende-se sobretudo pelos doentes prioritários ou graves, garantindo que tem sido feito tudo o que é possível para serem submetidos a cirurgias. "Os doentes prioritários estão a ser tratados ou já foram tratados", garante o bastonário, que apela ao Governo uma solução para esta situação.

"Existe também uma grande preocupação com as crianças", frisou, referindo-se ao facto de muitas cirurgias programadas e que não podem ser realizadas poderem fazê-las perder o ano letivo. Uma "greve cirúrgica", assim é denominada, que afeta também os doentes não prioritários, uma vez que "vai aumentar a lista de espera" no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

"Não faz sentido" médicos operarem sem enfermeiros

O bastonário afirmou que os diretores clínicos "estão a monitorizar a situação a todo o tempo" e "a rentabilizar ao máximo os serviços mínimos". Disse não ter o número de cirurgias adiadas, mas afirmou que a Ordem dos Médicos vais ser informada de dois em dois dias sobre quantos doentes prioritários viram as suas cirurgias adiadas.

Miguel Guimarães descarta a possibilidade de os médicos realizarem cirurgias sem os enfermeiros. "Não faz sentido nenhum. Os médicos trabalham em equipa e o trabalho em equipa é fundamental. Não estamos numa situação de catástrofe ou que tenha sido declarado estado de emergência", argumentou.

Desde que começou a greve dos enfermeiros aos blocos operatórios, há mais duas semanas, já foram adiadas cerca de 5 000 cirurgias, segundo avançou fonte sindical à agência Lusa.

A Ordem dos Médicos apela ao Ministério da Saúde para que "assuma a sua responsabilidade" e entende que é fundamental que os hospitais onde decorre a greve divulguem diariamente o número de doentes não operados e a gravidade das suas situações clínicas.

"Os portugueses têm o direito a saber a verdade dos números e a gravidade das situações", considerou.

A "greve cirúrgica" dos enfermeiros, que se iniciou em 22 de novembro e termina em 31 de dezembro, está a decorrer nos blocos operatórios do Centro Hospitalar Universitário de S. João (Porto), no Centro Hospitalar Universitário do Porto, no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte e no Centro Hospitalar de Setúbal.

A ministra da Saúde, Marta Temido, disse que as cirurgias adiadas devido à greve dos enfermeiros vão ser reagendadas a partir de 01 de janeiro de 2019.

Atualizado às 14:47.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.