"A ciência no Brasil está sob ataque ideológico do governo de Bolsonaro"

O cientista brasileiro Marcos Pedlowski fala em entrevista ao DN da desflorestação da Amazónia e de como o governo de Jair Bolsonaro quer abrir ainda mais a região às atividades económicas.

Há quase três décadas que Marcos Pedlowski, da Universidade do Norte Fluminense, no Rio de Janeiro, trabalha sobre a Amazónia. Geógrafo e especialista em análise por deteção remota com imagens de satélite, o investigador tem seguido de perto o processo de desflorestação que está ali a ocorrer de forma progressiva e, aparentemente, imparável. Neste momento, diz, 20% da floresta amazónica brasileira já foi destruída. Com o novo governo de Jair Bolsonaro, que pretende abrir novas áreas da extensa região à agricultura, mineração e extração de madeira, o risco é que esse processo acelere, antecipa. Para Marcos Pedlowski, que tem estado nos últimos meses em Portugal, como colaborador do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (CE3C) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), a ciência no Brasil está neste momento sob ataque ideológico por parte do novo governo. Mas, garante, não tenciona baixar os braços quando regressar, em breve, ao seu país. Nesta quinta-feira, numa palestra na FCUL, falou sobre a Amazónia e as nuvens negras que se adensam sobre o seu futuro e o do Brasil. Ao DN falou de todas essas incertezas e de como os cientistas brasileiros vão ter de continuar a fazer ciência de qualidade e a divulgar os seus estudos, para poderem defender os recursos naturais e o património comum.

Vai voltar à sua universidade e a um Brasil politicamente diferente dentro de poucas semanas. Como vai ser agora o seu trabalho lá?
Acho que o maior problema que vamos atravessar, na ciência, tem que ver com o facto de termos um conjunto de pessoas em cargos-chave no governo federal e em vários governos estaduais que têm um pensamento anticientífico ou acientífico. O problema será sobretudo para quem trabalha com as áreas sensíveis do desmatamento [desflorestação], a poluição ambiental ou agrotóxicos. Esse grupo de cientistas, se não for perseguido diretamente, vai ter muito mais problemas para obter verbas para trabalhar.

Está à espera de que lhe aconteça a si?
Já vem acontecendo comigo porque tenho tratado sempre de temas um pouco espinhosos e a verdade é que desde que o governo Dilma foi encerrado abruptamente [a presidente do Brasil Dilma Rousseff foi deposta na sequência de um processo de impeachment em 31 de agosto de 2016] começou um processo de corte generalizado de financiamento da ciência no Brasil. Os orçamentos não apenas encolheram mas, por exemplo, no Rio de Janeiro, que tem uma fundação de apoio à pesquisa, os editais não são pagos desde 2015. As pessoas concorrem para projetos e não recebem, e o mesmo com Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, que tem cada vez menos verbas.

Como tem conseguido financiar o seu trabalho?
Com o meu salário. Tive de reduzir muito o número de orientandos e muitas das coisas do quotidiano do meu laboratório saem do meu salário. Em 2016 e 2017 cheguei a ficar quatro meses sem salário. O governo do estado do Rio de Janeiro não pagava. Pensei que isso iria acontecer logo após os Jogos Olímpicos, e então guardei dinheiro. Nesse período gastei tudo o que tinha economizado. Outros colegas tiveram de vender carros e entregar apartamentos. No Rio de Janeiro as universidades estaduais estão numa condição muito ruim e para as universidades federais 2017 e 2018 já foram anos difíceis para custear coisas básicas, como a limpeza. No meu laboratório, todo o material de limpeza para o espaço coletivo sou eu que compro, e não é dinheiro de projeto, é salário. Outro problema que já estamos a viver e que neste ano deve piorar é que estamos a perder muitos jovens pesquisadores, que estão a migrar para fora do Brasil para fazer os seus doutorados [doutoramentos]. Isso é um problema para a sustentação da estrutura académica e de pesquisa, e, se essa postura anticientífica e de redução de verbas for o que se está a antever, então corremos o risco de ter uma paralisação geral do sistema de produção do conhecimento no Brasil. Com o governo do [anterior presidente Michel Temer] já recuámos, e com esse governo de [Jair] Bolsonaro [que ganhou as eleições e tomou posse em 1 de janeiro] a minha expectativa é que tenhamos dificuldades ainda maiores.

Que mais dificuldades antevê?
Para além das financeiras, há a questão do que vai ser selecionado para ser financiado. Nos primeiros dias do governo Bolsonaro houve um escândalo quando o colunista Lauro Jardim anunciou no jornal O Globo que haveria um filtro ideológico para bolsas de doutorado no exterior. Isso existiu durante o governo militar [a ditadura militar brasileira, entre 1964 e 1985]. Era o atestado ideológico, a pessoa tinha de demonstrar que era de direita.

Pensa que isso será posto em prática?
O governo teve de negar formalmente, mas com o tipo de pessoas que estão ocupando cargos-chave nos ministérios da Educação e da Cultura não tenho ilusão de que isso não vai ser aplicado. Há um risco de que se estabeleça uma forma disfarçada de filtro ideológico, o que é uma grande besteira. Se não se está à altura em termos académicos, o atestado ideológico não vale nada, e o risco que corremos é a escolha de candidatos baseada no perfil ideológico, e não na capacidade académica, com um grande desperdício de recursos.

Disse que está a ocorrer neste momento um pico de desflorestação na Amazónia. A que se deve isso?
Há um ambiente político que tem facilitado a permissividade para que determinados atores políticos e económicos realizem esse ataque aos recursos naturais nas florestas na Amazónia. É o abate de madeira, a invasão de áreas indígenas, a mineração ilegal de ouro. Pelo que vemos no mapeamento [por imagens de satélite], a dimensão que atingiu a mineração ilegal de ouro nunca se viu antes. Gostaria agora de fazer um mapeamento mais fino, para identificar os pontos de acesso a essas explorações ilegais, as estradas, porque tudo isso leva à alteração da cobertura florestal. Não é nunca um pobre favelado que decide ser garimpeiro ou pegar um camião e ir lá numa reserva indígena e extrair madeiras. Existe uma articulação entre os setores político e económico, e inclusive com os mercados internacionais. De toda a madeira que está sendo extraída seletiva e ilegalmente da Amazónia, parte vai para o mercado interno com documentação falsificada. Existe uma indústria de falsificação desses documentos. Com o governo Bolsonaro, que pretende abrir totalmente a floresta, inclusive a área indígena, para essas atividades económicas, talvez nem precisem dessa indústria de falsificação. Há inclusive a intenção de fazer uma forma de autorização automática de desmatamento para grandes proprietários rurais. É um absurdo ser o próprio proprietário a dar essa autorização.

E isso poderá ir mesmo para a frente?
Se não houver contenção interna e, principalmente, contenção externa, boa parte dessas coisas vai acontecer por algum tempo, com grande desperdício de recursos. Esse uso descontrolado da Amazónia não causa só dano ambiental, também há perda económica associada. Já temos estudos suficientes que demonstram que se se fizer um uso racional dos recursos o ganho económico é maior. Se não houver controlo interno e externo, os atores políticos envolvidos nessas atividades ilegais fazem uma aceleração, e isso tende a causar picos de atividades ilegais.

Como está a acontecer agora?
Sim. Quando se fala em desmatamento, e 20% da Amazónia já está desmatada, isso é só uma fração do problema. Ainda não está quantificada a área afetada por degradação, em que a recuperação da floresta não é necessariamente rápida. Hoje o índice de inflamabilidade da floresta amazónica é muito maior do que há algumas décadas, devido a essa degradação.

Falou de contenção interna e externa para travar a destruição da Amazónia. O que é preciso fazer?
Internamente a sociedade civil será obrigada a juntar esforços. É muito contraditória a eleição de Bolsonaro. Todos os últimos levantamentos da Data Folha, o instituto de pesquisa da Folha de S. Paulo, que é um dos mais importantes desse tipo de institutos, mostram que a maioria da população brasileira rejeita a agenda política e económica de Bolsonaro. É contra a privatização, contra a redução dos direitos dos trabalhadores, e em índices altíssimos de 70%, 80%.

Então como se explica a eleição de Bolsonaro?
Pela natureza do processo eleitoral, que foi muito controlado por WhatsApp e Facebook, reproduzindo no Brasil a mesma estratégia de vitória de Donald Trump. No Brasil, muito claramente, o que as pessoas querem é uma limpeza do sistema político da corrupção. Mas esses primeiros dias do governo têm sido catastróficos. Já ocorreram pelo menos nove desmentidos de declarações do governo. Por exemplo, a Fundação Nacional do Índio, a Funai, no ministério da pastora Damares [Damares Alves, pastora evangélica e a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos do governo de Jair Bolsonaro], é uma receita para o desastre. Ela tem uma ONG que tentava evangelizar indígenas, foi acusada de roubo de crianças indígenas, para o comércio, mas não foi a tribunal. Nesse sentido, a minha maior preocupação são os índios isolados, que se recusam a ter contactos com o exterior, e que estão em áreas que podem ser abertas pelo governo federal para uso agrícola ou de mineração. Estão sob grave risco porque já tivemos na história do Brasil o extermínio de índios para a penetração no seu território. Há uma grande chance de isso voltar a acontecer porque existe uma predisposição do governo para desconhecer os direitos de autodeterminação dos indígenas.

O que pode fazer a comunidade internacional em relação a esses problemas?
Primeiro é preciso entender que a Amazónia pode estar lá longe, mas a sua destruição tem impactos por todo o planeta. Se o nível de desmatamento aumentar demais, teremos impactos de circulação de humidade atmosférica no planeta inteiro. Os países que já têm problemas hídricos, como Portugal, terão um agravamento do problema, e isso terá impactos económicos e outros. Externamente, os países e os cidadãos podem ter mais exigência com o que consomem. A soja brasileira, por exemplo, é o calcanhar de Aquiles de todo esse processo, porque se houver um controlo da origem da soja pela União Europeia e outros para que não chegue aqui soja de áreas desmatadas na Amazónia depois de 2010, por exemplo, o Brasil vai ter de certificar a origem da produção. Os estudos mostram que não há necessidade de fazer mais desmatação para a agricultura ou para a criação de gado na Amazónia, mas o governo de Bolsonaro despreza esse conhecimento e a necessidade de preservar a floresta. Este é um governo antifloresta.

O que é que os cientistas podem fazer para impedir uma maior destruição que se anuncia para a Amazónia?
É preciso continuar produzindo ciência de qualidade. O avanço nas tecnologias de processamento é enorme e consegue-se com elas um retrato do que está a acontecer que é muito próximo da realidade. O ministro do Meio Ambiente diz que os dados precisam de ser reavaliados, mas os dados são de boa qualidade. O uso que se quer fazer deles é que pode não ser. A ciência não pode estar apegada à vontade do governo. O cientista brasileiro que preze o nome de cientista não tem de se preocupar se é de direita ou de esquerda, mas tem de entender que a ciência no Brasil está neste momento sob ataque ideológico pelo governo federal. Quando o ministro do Meio Ambiente [Ricardo Salles] nega a prioridade das mudanças climáticas, quando o ministro das Relações Exteriores, Nelson Araújo, nega que elas são um facto científico e diz que são um complot marxista para beneficiar a posição geopolítica da China, isso é um nonsense acientífico. Os cientistas brasileiros neste momento não podem demitir-se de fazer boa ciência e de divulgar a boa ciência, que deve chegar inclusive a quem tem a decisão política.

Há motivos para receio de retaliação sobre os cientistas por parte do poder no Brasil?
Há, com certeza. Mas o receio não pode ser maior do que a minha obrigação de falar aquilo que penso. Como aluno de graduação, entre 1980 e 1985, tive a experiência da ditadura militar. Quem viveu a ditadura militar não pode ter medo agora de um governo que tem muitos militares. Temos de ter cuidado, existem hoje forças políticas no Brasil que são protofascistas e têm cargos no governo, e que não tolerarão formas contrárias de pensamento. Não tenho receio, mas tenho de ter cuidado.

Que trabalho vai fazer quando regressar?
Aqui iniciei uma colaboração com a professora Cristina Cruz [do CE3C, na FCUL] na área dos agrotóxicos e biorremediação e vamos continuar. Estou envolvido também na produção de outros artigos sobre a Amazónia. Um deles vai fazer a integração de todos os aspetos que estão em causa na degradação da floresta na bacia amazónica brasileira como um todo. E, se nada de diferente acontecer, vou fazer o que tenho feito sempre. Mas com certeza com menos dinheiro do que vinha tendo. Já se sabe neste momento que a ciência vai ter menos dinheiro no Brasil, mas certas áreas terão menos dinheiro ainda. E eu diria que a questão do desmatamento da Amazónia é uma das que não terão dinheiro, porque deixou de ser prioridade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.