42,6º. Temperatura recorde em Paris

A onda de calor que assola a Europa deverá terminar esta sexta-feira.

Paris atingiu esta quinta-feira os 42,6º graus Celsius superando o recorde de temperatura, desde que há contabilização validada, que datava de 28 de julho de 1947, quando Paris registou 40,4 graus Celsius. No mesmo dia o calor também atingiu níveis históricos em Lille, Estrasburgo e outras cerca de 50 cidades francesas.

Os meteorologistas afirmam que esta é já a segunda onda de calor extremo que cobre a Europa durante este verão, colocando em níveis máximos de temperatura cidades normalmente temperadas, como Londres (Reino Unido) ou Berlim (Alemanha). Zonas da Bélgica, Holanda, Luxemburgo e Suíça também registaram temperaturas superiores a 40 graus Celsius.

No aeroporto de Heathrow, nos arredores de Londres, os termómetros chegaram aos 36,9 graus Celsius, tornando esta quinta-feira o dia mais quente deste verão e um dos mais quentes desde que se começaram a registar as temperaturas (em 1865), com o recorde de todos os tempos a manter-se por perto, com 38,5 graus Celsius, atingidos em 2003.

Apesar de em Portugal as temperaturas terem baixado nesta quinta-feira e irem continuar a baixar - para sexta-feira a máxima prevista é de 29º em Évora e Castelo Branco - o calor extremo assola a Europa central de forma persistente e continuada desde o início desta semana e levou os serviços de proteção civil a aumentarem os níveis de alerta de calor intenso em diversos países.

A persistência do calor extremo é considerada muito perigosa, sobretudo para a população mais idosa, e estão a ser feitos vários alertas para as situações de smog (situação criada pela combinação de poluição atmosférica e fumaças), especialmente nas cidades de forte densidade populacional que estão a ser atingidas.

Os institutos de meteorologia europeus estão igualmente a registar a deterioração da qualidade do ar em algumas regiões e alertam para a amplificação dos danos provocados pela poluição, nestas condições de canícula, com consequências como a irritação de olhos, nariz e garganta.

Espera-se que a partir de sexta-feira o fenómeno de canícula extrema se extinga, com a chegada à Europa central de uma frente fria que atravessou o Atlântico e que hoje deixou Portugal continental com uma descida de temperaturas e queda de chuva em várias regiões.

Exclusivos