123 anos depois, répteis e anfíbios de Angola têm um novo atlas

Obra reúne informação científica sobre quase 400 espécies e atualiza a obra publicada no fim do século XIX pelo naturalista José Vicente Barbosa du Bocage. Os dois primeiros autores também são biólogos portugueses.

São quase 400 espécies, entre 117 anfíbios e 278 répteis, com as respetivas descrições taxonómicas, distribuição geográfica e contexto ecológico e climático. É o Atlas dos Répteis e Anfíbios de Angola, uma obra de referência, que reúne toda a informação disponível sobre esta fauna naquele país africano de língua portuguesa, e que acaba de ser publicado pela Academia de Ciências da Califórnia, nos Estados Unidos, sob o título Diversity and Distribution of the Amphibians and Terrestrial Reptiles of Angola. O atlas vai estar também disponível online, para consulta gratuita, e será apresentado em Luanda ainda neste mês.

Mais de um século depois da publicação, em 1895, do primeiro Atlas dos Répteis e Anfíbios de Angola, pelo naturalista português José Vicente Barbosa du Bocage, o novo trabalho, da autoria dos biólogos portugueses Mariana Marques e Luís Ceríaco, e dos norte-americanos Aaron Bauer e David Blackburn, foi elaborado em parceria com o Ministério do Ambiente de Angola e vem coligir toda a informação disponível sobre a fauna herpetológica (assim lhe chama a biologia) que estava há muito desatualizada, ou andava dispersa por diferentes arquivos e publicações.

"Esta é uma nova e importante ferramenta de trabalho para a comunidade científica e para os investigadores no terreno, mas também para as autoridades do país, porque permite conhecer melhor os problemas das espécies nas várias regiões e planear as políticas de conservação com base no conhecimento científico", explica ao DN Mariana Marques, investigadora do CIBIO - Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, da Universidade do Porto, e a primeira autora deste atlas.

Luís Ceríaco, da Universidade de Villanova, nos Estados Unidos, e do Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC), da Universidade de Lisboa, coautor da obra, que em agosto, juntamente com Mariana Marques e a bióloga angolana Suzana Bandeira, do Instituto Nacional de Biodiversidade e Áreas de Conservação de Angola, publicou a descoberta de uma nova espécie de sapo-pigmeu no sul de Angola, tem esta mesma visão. "Desde a publicação do primeiro atlas, em 1895, descobriram-se muitas outras espécies, há muito mais conhecimento científico, era importante reunir todo essa informação. Por isso, decidimos avançar para este trabalho", conta.

Apesar de as descobertas mais recentes, como a do novo sapo-pigmeu, ainda não constarem do atlas - ele inclui todas as descobertas até meados de 2017 -, a obra "será posteriormente atualizada", adianta Luís Ceríaco.

Neste preciso momento, aliás, a equipa que ele liderou durante a expedição que levou à descoberta do novo sapo-pigmeu já tem mais duas novas espécies de répteis na calha para publicação, "o que deve acontecer até final do ano", adianta, por seu turno, Mariana Marques.

Para a investigadora, uma das grandes vantagens deste atlas é pôr também em evidência as regiões de Angola sobre as quais não há dados em relação a esta fauna. Essas zonas, explica, "são áreas prioritárias a estudar no futuro".

Um projeto de mestrado

O atlas teve origem no projeto de mestrado de Mariana Marques, iniciado em 2012. "Não sabia bem que tema escolher e, em conversa com o Luís [Ceríaco], que conhecia o Aaron Bauer [especialista em répteis da universidade de Villanova, nos Estados, que fez a revisão científica do trabalho], surgiu a ideia de reunir toda a informação disponível sobre esta fauna em Angola", conta a bióloga

Acabou por ser um trabalho de minúcia, que a levou a inúmeros arquivos em vários países, para fazer o levantamento sistemático das espécies descobertas e descritas ao longo de mais de um século, depois da obra inicial de José Vicente Barbosa du Bocage. Nesse primeiro atlas, o naturalista português descreveu um total de 186 espécies - 32 anfíbios e 154 répteis -, as que então se conheciam da fauna herpetológica angolana. Hoje estão descritas quase 400. Destas, 36 (18 anfíbios, 29 lagartos e sete serpentes) são endémicas, ou seja, só existem em Angola.

A investigadora partiu daquele núcleo inicial reunido pelo "pai" da zoologia portuguesa, passou a pente fino o Arquivo Histórico do Museu Bocage (que ganhou o seu nome), no MUHNAC, e o do Centro de Zoologia do Instituto de Investigação Científica Tropical, e depois embrenhou-se em arquivos noutros países: o do Museu Nacional de História Natural, em Luanda, e o do Museu Regional do Dundo, ambos em Angola, e outros na Europa e nos Estados Unidos, como os arquivos do Museu de História Natural, em Paris, ou da Academia de Ciências da Califórnia, foram apenas alguns deles.

Dois anos depois, a bióloga tinha concluído o trabalho, que acabou por se tornar o embrião do atlas, e ao qual foram depois acrescentadas as novas espécies que os próprios autores entretanto descobriram em expedições realizadas no terreno até meados de 2017.

No futuro, esperam que as espécies entretanto descobertas passem a figurar também no seu atlas. "Tal como atualizámos a obra de Bocage, esperamos que a nossa seja atualizada". Isso "significará que a herpetologia angolana se está a desenvolver", conclui Luís Ceríaco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.