Há 200 milhões de anos o maior dinossauro carnívoro vivia nos Alpes

Paleontólogos italianos descobriram uma nova espécie de dinossauro. É um gigante do Jurássico inferior, que reinou no continente europeu, numa altura em que os seus primos predadores eram bem mais pequenos.

Foi descoberto por mero acaso, em 1996, perto de Saltrio, uma pequena aldeia 80 quilómetros a norte de Milão, por um paleontólogo amador com tempo livre e gosto por caminhadas na montanha. Mas o Saltriovenator zanellai, como lhe chamaram os paleontólogos do Museu de História Natural de Milão, que o estudaram ao longo de todos estes anos, revelou-se um verdadeiro achado para a ciência.

O novo dinossauro é único a vários títulos, e tem uma importante história contar, que preenche vazios na evolução dos famosos répteis gigantes que já reinaram na Terra. O seu estudo é publicado esta quarta-feira na revista científica PeerJ.

Ao mesmo tempo um novo género e uma nova espécie de Ceratossaurus, uma família de predadores carnívoros bípedes que se expandiram por vários continentes no Jurássico Superior, entre há 153 e 148 milhões de anos, o Saltriovenator é também o primeiro dinossauro do Jurássico descoberto em Itália.

Só isso já seria uma descoberta importante, mas as surpresas não ficam por aqui. O novo espécime é agora o mais antigo Ceratossaurus conhecido, que viveu 25 milhões de anos antes de todos os seus primos que a ciência já tinha catalogado.

Outro marca distintiva do novo dinossauro é que ele era muito maior do que os parentes seus contemporâneos: teria uma altura de 7,5 metros, ao passo que os seus parentes mais próximos não excediam os cinco metros. Seja como for, a nova espécie deveria atingir dimensões ainda maiores, uma vez que este indivíduo não tinha atingido a idade adulta.

"A nossa análise paleohistológica indica que o Saltriovenator ainda estava em crescimento, numa fase subadulta, e por isso o seu tamanho estimado é ainda mais notável, no contexto do Jurássico Inferior", adianta Simone Maganuco, um dos coautores do estudo.

Uma das maiores novidades da descoberta é, no entanto, o facto de ser uma nova peça no puzzle da evolução dos dinossauros na primeira fase do Jurássico. Na prática, oSaltriovenator "é um mosaico de características ancestrais e avançadas, respetivamente dos ceratossaurios de quatro dedos e dos terópodes de três dedos", explica por seu turno Cristiano Dal Sasso, que coordenou o estudo, no Museu de História Natural de Milão.

O Saltriovenator, garante Dal Sasso, mostra que "a luta evolutiva entre os predadores mais atarracados e os gigantes herbívoros, que evoluíram para para espécies cada vez maiores, já tinha começado há 200 milhões de anos".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...