Estudantes de Medicina escrevem carta à ministra a exigir planeamento de recursos humanos

No final da Prova Nacional de Acesso à Formação Especialização, realizada nesta segunda-feira, os alunos assinaram cartas para entregar à ministra da Saúde. No documento, pedem uma reformulação do tratamento dado aos recursos humanos.

Estiveram quatro horas fechados numa sala, com um exame à frente, que lhes levou um ano a preparar. À saída, não disfarçaram o alívio por terem terminado a Prova Nacional de Acesso à Formação Especialização, o exame que substituí o pesadelo dos estudantes de medicina (o Harrisson) e lhes dá acesso a uma especialidade médica. "O que se via à saída, principalmente, era alívio. Estavam muito mais tranquilos", conta Carolina Caminata, estudante da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Mas agora que fizeram a parte deles, os estudantes de medicina pedem à ministra da Saúde que faça a sua parte, numa carta assinada à porta dos três locais onde os 2394 alunos realizaram a prova.

A iniciativa parte da Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM) e tem como objetivo criar um organismo que defina estratégias para evitar a saída dos profissionais do Serviço Nacional de Saúde e que antecipe cenários no que diz respeito à quantidade de médicos disponíveis daqui a uns anos. "Os estudantes e os candidatos que realizam a prova estão solidários uns para com os outros. A ANEM considera urgente um planeamento dos recursos humanos em saúde, na medida em que todos os dias somos notificados sobre a falta de médicos no Serviço Nacional de Saúde, tanto de jovens como de mais seniores", indica Vasco Mendes, presidente da ANEM, à porta da Universidade do Porto.

"Nesse sentido, reivindicamos a criação de um Observatório para o planeamento dos recursos humanos, que não inclua apenas o ministério da Saúde, mas também o ministério do Ensino Superior (por causa da formação pré-graduada), a Ordem dos Médicos, reitores, diretores de escolas médicas e os próprios estudantes", continua Vasco Mendes.

Na carta, existe ainda uma alínea dedicada a quem acabou de sair da sala de exame em Lisboa, Porto e Coimbra. Os estudantes pedem a garantia de acesso à especialização, depois de feita a prova. Tendo em conta que este ano são 2394 estudantes a fazer o exame, para apenas 1830 vagas, segundo dados da Administração Central do Sistema de Saúde. Apesar de o número de lugares ter aumentado em relação aos últimos dois anos, o número de candidatos também é superior. E os alunos que não conseguirem atingir a nota necessária para ocupar uma das vagas disponíveis neste ano terão de repetir o exame. Sem especialização só poderão trabalhar como médicos tarefeiros de medicina geral ou ir para o estrangeiro.

"Nós estamos a dobrar os envelopes e tivemos uma adesão mesmo muito grande. Houve muitos alunos que saíram da prova e que pararam aqui e disseram às famílias para esperar um bocadinho, porque isto era mesmo importante. Temos cerca de 600 cartas assinadas aqui [em Coimbra]", avança Carolina Caminata.

Em Lisboa, José Rodrigues, que está na banca da ANEM na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, garante o mesmo: "Houve muita gente a aproximar-se e a assinar. Foi um ato simbólico para que este assunto seja efetivamente discutido".

A carta será entregue em mãos, nesta terça-feira, pelo presidente da ANEM no ministério da saúde.

O papão Harrison foi substituído

Esta foi a primeira vez que os alunos que terminaram o sexto ano do curso de Medicina fizeram a Prova Nacional de Acesso à Formação Especialização. Até então, o exame de acesso à especialidade chamava-se Harrison e baseava-se na memorização do tratado de medicina norte-americano com o mesmo nome.

"Há 40 anos, instituiu-se uma prova de acesso aos internatos, baseada nos cinco capítulos do tratado da medicina Harrison [o nome do editor], que se levou à exaustão. Era um exame tipicamente de memorização, que mostrava ser preferível os alunos estarem em casa a estudar a estarem no hospital a conhecer doentes. O novo exame vem mudar isso", explica Serafim Guimarães, o responsável pelo Gabinete da Prova Nacional de Acesso, ao DN.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...