Estudantes de Medicina escrevem carta à ministra a exigir planeamento de recursos humanos

No final da Prova Nacional de Acesso à Formação Especialização, realizada nesta segunda-feira, os alunos assinaram cartas para entregar à ministra da Saúde. No documento, pedem uma reformulação do tratamento dado aos recursos humanos.

Estiveram quatro horas fechados numa sala, com um exame à frente, que lhes levou um ano a preparar. À saída, não disfarçaram o alívio por terem terminado a Prova Nacional de Acesso à Formação Especialização, o exame que substituí o pesadelo dos estudantes de medicina (o Harrisson) e lhes dá acesso a uma especialidade médica. "O que se via à saída, principalmente, era alívio. Estavam muito mais tranquilos", conta Carolina Caminata, estudante da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Mas agora que fizeram a parte deles, os estudantes de medicina pedem à ministra da Saúde que faça a sua parte, numa carta assinada à porta dos três locais onde os 2394 alunos realizaram a prova.

A iniciativa parte da Associação Nacional de Estudantes de Medicina (ANEM) e tem como objetivo criar um organismo que defina estratégias para evitar a saída dos profissionais do Serviço Nacional de Saúde e que antecipe cenários no que diz respeito à quantidade de médicos disponíveis daqui a uns anos. "Os estudantes e os candidatos que realizam a prova estão solidários uns para com os outros. A ANEM considera urgente um planeamento dos recursos humanos em saúde, na medida em que todos os dias somos notificados sobre a falta de médicos no Serviço Nacional de Saúde, tanto de jovens como de mais seniores", indica Vasco Mendes, presidente da ANEM, à porta da Universidade do Porto.

"Nesse sentido, reivindicamos a criação de um Observatório para o planeamento dos recursos humanos, que não inclua apenas o ministério da Saúde, mas também o ministério do Ensino Superior (por causa da formação pré-graduada), a Ordem dos Médicos, reitores, diretores de escolas médicas e os próprios estudantes", continua Vasco Mendes.

Na carta, existe ainda uma alínea dedicada a quem acabou de sair da sala de exame em Lisboa, Porto e Coimbra. Os estudantes pedem a garantia de acesso à especialização, depois de feita a prova. Tendo em conta que este ano são 2394 estudantes a fazer o exame, para apenas 1830 vagas, segundo dados da Administração Central do Sistema de Saúde. Apesar de o número de lugares ter aumentado em relação aos últimos dois anos, o número de candidatos também é superior. E os alunos que não conseguirem atingir a nota necessária para ocupar uma das vagas disponíveis neste ano terão de repetir o exame. Sem especialização só poderão trabalhar como médicos tarefeiros de medicina geral ou ir para o estrangeiro.

"Nós estamos a dobrar os envelopes e tivemos uma adesão mesmo muito grande. Houve muitos alunos que saíram da prova e que pararam aqui e disseram às famílias para esperar um bocadinho, porque isto era mesmo importante. Temos cerca de 600 cartas assinadas aqui [em Coimbra]", avança Carolina Caminata.

Em Lisboa, José Rodrigues, que está na banca da ANEM na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, garante o mesmo: "Houve muita gente a aproximar-se e a assinar. Foi um ato simbólico para que este assunto seja efetivamente discutido".

A carta será entregue em mãos, nesta terça-feira, pelo presidente da ANEM no ministério da saúde.

O papão Harrison foi substituído

Esta foi a primeira vez que os alunos que terminaram o sexto ano do curso de Medicina fizeram a Prova Nacional de Acesso à Formação Especialização. Até então, o exame de acesso à especialidade chamava-se Harrison e baseava-se na memorização do tratado de medicina norte-americano com o mesmo nome.

"Há 40 anos, instituiu-se uma prova de acesso aos internatos, baseada nos cinco capítulos do tratado da medicina Harrison [o nome do editor], que se levou à exaustão. Era um exame tipicamente de memorização, que mostrava ser preferível os alunos estarem em casa a estudar a estarem no hospital a conhecer doentes. O novo exame vem mudar isso", explica Serafim Guimarães, o responsável pelo Gabinete da Prova Nacional de Acesso, ao DN.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG