14% das crianças com 13 meses não estão vacinadas contra o sarampo

Catorze por cento das crianças com 13 meses não estavam em 2018 protegidas contra o sarampo e a meningite C, quando a idade recomendada da primeira dose é aos 12 meses, segundo dados hoje divulgados pela DGS

Segundo os dados publicados no Boletim do Programa Nacional de Vacinação (PNV) 2018, 97% das crianças, aos três meses de idade, já tinham cumprido em 2018 o esquema recomendado das vacinas contra a pneumonia e tosse convulsa.

"No entanto, aos 13 meses de idade, 14% das crianças ainda não estavam protegidas contra o sarampo, nem contra a doença invasiva Neisseria meningitidis C [meningite C]", refere o boletim publicado no site da Direção-Geral da Saúde

Mas, comparativamente com os resultados obtidos em 2017, verifica-se um aumento no cumprimento da vacinação atempada aos três e 13 meses de idade, refere o boletim publicado no 'site' da DGS.

Nas crianças vacinadas até aos 13 meses, este aumento foi de 2% e 1% na vacinação contra o sarampo e contra a meningite C, respetivamente.

Todos os anos é avaliado o cumprimento do Programa Nacional de Vacinação para verificar se as suas metas estão a ser cumpridas, tendo-se observado em 2018 "um aumento das coberturas vacinais em relação aos valores do ano anterior, para todas as vacinas, doses e idades avaliadas".

De acordo com os dados, todas as vacinas e doses avaliadas até aos sete anos atingiram o objetivo de 95% de cobertura.

Relativamente à vacinação contra o sarampo, o boletim refere que a cobertura vacinal para a primeira dose, avaliada aos dois anos, foi de 99% em 2018.

Já a cobertura vacinal para a segunda dose desta vacina, nos beneficiários entre os seis e os 18 anos, varia entre 96% e 98%, refere o documento publicado no site da DGS.

"Estas coberturas vacinais permitem manter o cumprimento dos objetivos do Programa Nacional de Eliminação do Sarampo e dos requisitos internacionais", salienta.

Segundo a DGS, a campanha de repescagem de vacinação contra o sarampo, iniciada em 2017, continua a revelar bons resultados nos beneficiários até aos 18 anos, principalmente nas áreas geográficas onde as coberturas eram menos elevadas.

Vacina do papiloma com "valores mais elevados de sempre"

No que respeita à vacinação contra infeções por HPV (papiloma vírus humano), o estudo revela que em 2018, ano em que se assinalou o 10.º aniversário da introdução desta vacina no PNV, a cobertura vacinal revelou "os valores mais elevados de sempre, atingindo os 90%, para duas doses, dois anos após o início da vacinação e chegando aos 94% aos 14 anos".

"Passados dez anos desde a integração no PNV da vacina contra o HPV, foram já vacinadas, com o esquema completo, cerca de 90% das raparigas (um total de 750 mil), entre os 10 e os 17 anos de idade, que têm agora 12 a 27 anos de idade", sublinha.

Os dados estimam ainda que cerca de 85% das mulheres grávidas tenham sido vacinadas contra a tosse convulsa no ano passado, revelando um "evidente aumento" relativamente a 2017.

Com estes resultados, espera-se o controlo da tosse convulsa nas crianças até aos dois meses.

O documento atribui os resultados alcançados a vários fatores como um "maior investimento nas atividades relacionadas com a vacinação em todo o país", uma "maior procura da vacinação, fruto dos surtos de sarampo e das campanhas de sensibilização realizadas" e uma otimização dos registos da vacinação.

Nos últimos dois anos, o risco de infeção por sarampo aumentou a nível internacional, especialmente na Europa, devido à existência de baixas coberturas vacinais e o aumento da circulação das pessoas.

Portugal registou em 2018 vários casos isolados e sete surtos com origem em casos importados que foram controlados em menos de dois meses, recorda a DGS.

"O célere controlo dos surtos resultou da imunidade de grupo existente na população portuguesa", que evitando a ocorrência de novas cadeias de transmissão, sublinha.

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Onde pára a geração Erasmus? 

A opinião em jornais, rádios e televisões está largamente dominada por homens, brancos, nascidos algures no século passado. O mesmo se passa com jornalistas e políticos que fazem a maior parte dos comentários. Este problema está há muito identificado e têm sido feitos alguns esforços para se chegar a uma maior diversificação desta importante função dos órgãos de comunicação social. A diversidade não é receita mágica para nada, mas a verdade é que ela necessariamente enriquece o debate. Quando se discute o rendimento mínimo de inserção, por exemplo, o estatuto, a experiência, o ponto de vista importa não só dentro da dicotomia entre esquerda e direita, mas também consoante as pessoas envolvidas estejam mais ou menos directamente ligadas aos efeitos das políticas em discussão. Esta constatação é demasiadamente banal para precisar de maior reflexão. Acontece que, paradoxalmente ou não, se tem assistido a uma maior diversificação social entre a classe política activa do que propriamente entre aqueles que sobre ela opinam.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.