Descoberto o primo mais velho do T. Rex, um autêntico "anjo da morte"

A nova espécie da família do Tyrannosaurus rex foi descoberta no Canadá e viveu há cerca de 80 milhões de anos. Era um predador implacável, mas era mais pequeno que o T-Rex..

Foi descoberta uma nova espécie de dinossauro, familiarmente relacionada com o Tyrannosaurus rex​​​​​, que percorreu a planície da América do Norte cerca de 80 milhões de anos antes. Era um predador terrível.

O Thanatotheristes degrootorum - grego para "Reaper of Death", que em português se pode designar como "Ceifador da morte" - é considerado o membro mais antigo da família T-Rex a ser descoberto no norte da América do Norte e terá crescido até cerca de oito metros de comprimento. Ou seja, mais pequeno do que o T-Rex, que atingia 15 metros.

"Escolhemos um nome que incorpore o que esse tyrannosaurus era como o único predador no topo da cadeia conhecido, do seu tempo, no Canadá", disse Darla Zelenitsky, professora assistente de Paleobiologia de Dinossauros na Universidade de Calgary, no Canadá.

"O apelido passou a ser Thanatos", disse à AFP.

Enquanto o T-Rex - a mais famosa de todas as espécies de dinossauros, imortalizada no épico "Jurassic Park", de 1993, de Steven Spielberg - perseguiu presas há cerca de 66 milhões de anos, Thanatos remonta há pelo menos 79 milhões de anos, segundo a equipa de cientistas.

O espécime foi descoberto por Jared Voris, um estudante de doutoramento em Calgary, e é a primeira nova espécie de Tyrannosaurus encontrada em 50 anos no Canadá.

"Existem poucas espécies de tyrannosaurus, falando em termos relativos", disse Zelenitsky, co-autor do estudo que foi publicado na revista Cretaceous Research.

"Devido à natureza da cadeia alimentar, estes grandes predadores eram raros em comparação com dinossauros herbívoros ou comedores de plantas", explicou.

O estudo descobriu que Thanatos tinha um focinho longo e profundo, semelhante aos Tyrannosaurus mais primitivos que viviam no sul dos Estados Unidos.

Os investigadores consideram que a diferença nas formas do crânio do tyrannosaurus entre as duas regiões poderá ficar a dever-se a diferenças na dieta e à dependência das presas disponíveis na época.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG