Da mudança à inovação. O que representa o 55000 (capas do DN)

No dia em que o 'Diário de Noticias' atingiu a capa número 55 mil pedimos à taróloga Maria Helena Martins para explicar o que representa este número.

"O número 55 surge, muitas vezes, em períodos de grande mudança, a caminho da inovação. Ele representa a autonomia, a capacidade de afirmação, mas, ao mesmo tempo, o alargamento de horizontes. Com a edição 55.000, o DN aventura-se num novo caminho, podendo surpreender os leitores com uma nova abordagem mais intuitiva e autónoma. O número 55 surge ligado à inteligência que se desenvolveu à luz da experiência, mantendo sempre um espírito jovem, capaz de desbravar territórios inexplorados".

A propósito da capa 55 mil, o DN desafiou a taróloga Maria Helena Martins a analisar esse número e o que poderá indicar. Num texto escrito onde explica o que é a Numerologia - "disciplina que estuda a vibração energética contida em cada número" -, adianta que o 55 (os zeros não são contados) "surge muitas vezes associado a períodos de transição, em que há uma mudança de rumo, mas sem perder a solidez conquistada. [...], 5-5 é a sequência de dedos das suas mãos e dos seus pés, quando colocados lado a lado. Esta sequência numérica representa, pois, a estabilidade, a firmeza e, simultaneamente, a capacidade de fazer, de transformar, de ir, avançar. Quando somados, 5 + 5 perfazem 10, o que, segundo a Numerologia, se reduz a 1 (1+0 =1). Este é o número do espírito de iniciativa, do poder individual, da capacidade de ação. Este é um número relacionado também com a flexibilidade e que traz sempre uma mensagem de esperança, focada no futuro. É um número que representa o aparecimento de novas oportunidades, simbolizando o crescimento, a transformação, e apresentando um convite do Universo a que nos lancemos em novos voos".

A também apresentadora do programa Ponto de Equilíbrio na SIC Internacional acrescenta que "a energia do 55, porque os zeros não são considerados, [...] duplica a vibração do 5. Este é o número da aventura, do risco, do espírito de liberdade, do imprevisto".

O Diário de Notícias chega às 55 mil capas neste dia 20 de novembro de 2019, quase 155 anos após a fundação do jornal, a 29 de dezembro de 1864, pelo jornalista e escritor Eduardo Coelho. Atualmente, o DN é propriedade do Global Media Group, que detém também outras publicações, como o Jornal de Notícias, O Jogo, Dinheiro Vivo e a rádio TSF, entre outras.

No documento enviado, Maria Helena Martins deixa também uma explicação sobre a Numerologia lembrando que "os números sempre desempenharam um papel de destaque na História da Humanidade. Logo na Pré-história, os povos homens sentiram a necessidade de fazer contagens para terem controlo sobre o alimento e o gado de que dispunham, a população que compunha a comunidade e, desta forma, poderem organizar a sua vida".

"Pitágoras, um filósofo e matemático grego, estudou não só os números na função prática que cumprem como também abriu caminho para aquilo que mais tarde viria a ser a Numerologia - uma disciplina que estuda a vibração energética contida em cada número. De acordo com a Numerologia, cada número de 1 a 9 compreende uma vibração específica. Assim, os números que fazem parte da nossa vida - principalmente a nossa data de nascimento - fornecem indícios a respeito das tendências da nossa personalidade, da missão que vimos desempenhar na vida, das compatibilidades que temos com outras pessoas, e muito mais. Esta análise vai ainda mais além porque, através de uma tabela de conversão - a chamada Tabela de Pitágoras - também cada letra que compõe o nosso nome é convertida num valor numérico, passando a ser analisada", sublinha.

"Embora considere os algarismos de 1 a 9, a Numerologia atribui uma importância especial a determinadas sequências numéricas. São os chamados Números Mestres, que são o 11, o 22, o 33, o 44, o 55 e aí por diante, sempre que o segundo dígito repete o primeiro. Estes números estão sempre associados à elevação espiritual, ao caminho até à perfeição", conclui.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.