Brisa, CTT, EDP, Randstad, Millenium, Santander, CUF prometem contratar mais pessoas com deficiência

24 empresas, parceiras da Nova SBE, assinam hoje, pelas 18:00, um acordo em que se comprometem a contratar e a aumentar o número de colaboradores com deficiência.

A 1 de fevereiro a Lei 4 de 2019 entrou em vigor. Nela está definido e regulamentado a obrigatoriedade de as empresas aumentarem o número de colaboradores com deficiência. Mas para se alcançar uma sociedade mais inclusiva só a lei não chega. É preciso mudar mentalidades. E é nesse sentido que o ICF (Inclusive Community Forum), parceiro da Nova SBE, desde 2017, está a trabalhar.

Este protocolo surge na sequência do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelo ICF juntamente com os alunos e empresas parceiras desta faculdade. "O objetivo é trabalhar com os jovens, com os alunos, que amanhã estarão no mercado de trabalho e que serão líderes, para que deixem de ter medo do desconhecido", explica ao DN Maria Castro Almeida, do ICF.

O objetivo "é mostrar a estes jovens que é possível incluir estas pessoas no mercado de trabalho, em funções adaptadas às suas competências e sem medo", acrescenta.

A este desafio juntam-se agora 24 empresas de vários ramos empresariais - desde a saúde aos bancos, das energias e telecomunicações às empresas de recrutamento, de grupos de hotelaria aos de grandes superfícies, da tecnologia às empresas de advogados e à câmara municipal de Cascais -e que hoje vão estar ao final da tarde, pelas 18:00, no auditório da Nova SBE, em Carcavelos, para assinaram o protocolo de compromisso. Na sessão, e como representante do governo, estará também a secretária de Estado da Inclusão, Ana Sofia Antunes.

A empregabilidade das pessoas com deficiência foi o primeiro tema escolhido pelo ICF para desenvolver, quer com os alunos, colocando-lhes vários desafios em cadeiras de licenciatura e de mestrado, quer com as empresas parceiras da Nova SBE, através de projetos-piloto que os envolvem no desenvolvimento de algumas soluções, que têm como objetivo facilitar todo o processo de recrutamento, seleção e integração nas empresa das pessoas com deficiência.

A ideia de compromisso que hoje se assina tem por base, e independentemente da lei que já está em vigor, mostrar à comunidade que a contratação de pessoas com deficiência é bom para as pessoas, para as empresas e para a comunidade no seu todo. "O foco dos empresários é chamar a atenção para este tema. Comprometem-se publicamente para fazer acontecer a empregabilidade destas pessoas, tirando partido do projeto desenvolvido pelo ICF e servindo de inspiração às famílias e à comunidade", explicaram ao DN.

Mas o desafio lançado aos empresários e que agora se inicia no mercado de trabalho começou há mais de um ano, quando Rui e Carmo Diniz, pais de uma criança com deficiência, pensaram e decidiram criar um fórum, que assumisse um papel de motor e catalisador para a inclusão.

Foi assim que nasceu o ICF. O fórum que se assume como uma iniciativa da Nova SBE que se compromete a dedicar a sua atividade à vida das pessoas com deficiência e sempre com o objetivo de "construir uma rede composta por todos os que intervém na vida destas pessoas e desafiando-os a ter um papel ativo na criação de soluções."

Neste sentido, o ICF irá dedicar-se em ciclos de três semestres a um tema diferente que continuará a ser trabalhado com alunos e empresas, tendo sempre como denominador comum a inclusão.

A lista das 24 empresas:

Accenture
ANF
Ascendi
Brisa
CTT
EDP
El Corte Inglês
Fidelidade
Galp
Grupo Manuel Champalimaud
Grupo Pestana
Grupo VIPS, Starbucks
IBM
Jerónimo Martins
José de Mello Saúde Médis
Microsoft
Millenium BCP
Município de Cascais
Nova SBE
Prio
Randstad
Santander
Vieira de Almeida

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG