Alunos do 8ºE do colégio Salesiano descrevem manhã no Media Lab como inovadora

Ao longo do primeiro período letivo, diferentes alunos do colégio Salesiano - Oficinas de São José terão a oportunidade de conhecer uma redação do Século XXI no Media Lab.

A turma E do 8ºano foi a primeira a visitar as instalações deste centro de educação para os media. De modo a que os alunos experienciassem o que é estar numa verdadeira redação onde os jornalistas são pressionados para terminar as tarefas a tempo, que neste caso foram noticiários radiofónicos e televisivos.

Para perceberem melhor como funciona a profissão de jornalista e a forma como realizam os seus conteúdos, foi dada aos jovens uma pequena formação inicial sobre a história da comunicação e das mudanças do jornalismo até aos dias de hoje.

Durante a visita à redação, o grupo teve oportunidade de estar lado a lado com verdadeiros jornalistas, apercebendo-se assim de que numa redação o trabalho em equipa é fundamental.

Seguindo o método "aprender fazendo", no final da manhã sugeriu-se que os alunos simulassem uma sessão de entrevistas rápidas entre eles. Durante esta atividade, a aluna Clara Morgado revelou ter descoberto muitas curiosidades sobre o todo o processo que envolve a produção de um jornal como o Diário de Notícias.

No final da gravação dos noticiários radiofónicos e televisivos, a equipa do Media Lab procurou recolher algumas opiniões dos alunos. Cada participante foi convidado a definir a experiência no Media Lab com uma única palavra, de onde se ouviu sugestões como "diferente", "divertido", "inovador", "fantástico", "animado", "fascinante", "bestial", "enriquecedor", "excecional", "útil", "interessante", "educativo" e "incrível".

Os workshops promovidos pelo MediaLab foram pensados para que os participantes desenvolvessem um olhar crítico sobre o mundo e aprofundassem as suas capacidades de síntese e estruturação de ideias, tornando-se verdadeiros produtores de conteúdos.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.