Afinal, a carne vermelha e o queijo fazem bem ao coração (com moderação)

Açúcar e pão branco são mais perigosos, segundo estudo realizado em 50 países.

Carne vermelha e queijo podem diminuir o risco de morte prematura, concluiu um estudo de investigadores canadianos que recorreu a dados de mais de 218 mil pessoas em 50 países. São o açúcar e o pão refinado os inimigos da dieta equilibrada, acrescentam.

O regime saudável inclui três doses diárias de laticínios e uma e meia de carne, de acordo com este estudo.

Uma dieta variada baseada em alimentos não processados com consumos moderados de todos os grupos alimentares dá mais resultados do que uma dieta focada num só grupo de nutrientes.

Como foi feito o estudo?

Os primeiros dados recolhidos pela equipa à frente do estudo, da McMaster University, em Ontário, permitiram concluir que 138 500 pessoas com dietas pobres em gordura eram menos saudáveis. Com esses dados foi criada uma dieta saudável que foi testada em três grupos diferentes, envolvendo cerca de 80 mil pessoas, explica o diário britânico The Times.

O quinto da população do estudo com a dieta saudável tinha menos 25% de hipóteses de morrer durante os oito anos seguintes e menos 22% de risco de ataque cardíaco do que o grupo de pessoas com o regime alimentar menos equilibrado, já depois de analisados indicadores como riqueza, educação e hábitos de vida.

As porções da dieta saudável

O que é a dieta saudável, segundo o estudo dos investigadores da universidade de Ontário? Oito porções de fruta e vegetais por dia, duas porções e meia de feijões e frutos secos, uma porção e meia de carne e três de laticínios (o equivalente a um copo de leite, 60 gramas de que queijo e um iogurte).

Ideias feitas... há duas ou três décadas

Andrew Mente, um dos investigadores à frente do estudo, concede que "as descobertas sobre laticínios e carne vermelha não processada desafiam o pensamento convencional". "As recomendações atuais são baseadas em trabalhos realizados há duas ou três décadas", acrescentou.

Apresentado no congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia, o estudo liderado por Andrew Mente e Mahshid Dehghan para a Universidade McMaster mostra ainda que as pessoas com a dieta mais saudável (e com menos risco de morte prematura e ataques cardíacos) consomem metade das calorias em hidratos de carbono. "O que não são frutas e vegetais, são grãos refinados e açúcar", precisou Andrew Mente.

O estudo é apoiado por um diretor médico da British Heart Foundation. "Carne e laticínios podem contribuir para uma dieta equilibrada e saudável se forem ingeridos com moderação ao mesmo tempo que muitas frutas e vegetais, leguminosas, cereais e frutos secos."

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.