Maria de Lurdes Rodrigues

Caso Contrário

Escada acima, escada abaixo

1. Tem vindo a ser notícia a decisão do Metropolitano de Lisboa de interromper a linha amarela no Campo Grande e fazer uma linha circular, combinando a atual linha verde com o que restar da linha amarela e prolongando esta até ao Cais do Sodré via Estrela e Santos. A crítica principal a esta decisão vem dos utentes e dos responsáveis pelos municípios de Odivelas e Loures, que assim se vêm privados de uma ligação direta aos principais polos geradores de emprego nos serviços da cidade, das Avenidas Novas ao Marquês. Uma outra crítica salienta o abandono da expansão da rede para a zona oeste da cidade, até Alcântara, prevista através do prolongamento da via amarela, zona que ficaria assim definitivamente afastada do serviço do metro.

Caso Contrário

As desigualdades sociais em Portugal

1- Hoje mesmo, o Centro de Estudos e Investigação de Sociologia, do ISCTE-IUL, assinala os dez anos de trabalho do Observatório das Desigualdades (https://observatorio-das-desigualdades.com), com um colóquio e com o lançamento de um livro que reúne os trabalhos de vários dos seus investigadores, intitulado Desigualdades Sociais: Portugal e a Europa. Em Portugal, uma das sociedades mais desiguais da União Europeia, o estudo persistente e continuado do problema estrutural da desigualdade é fundamental quer para um melhor conhecimento do país quer para a fundamentação de políticas públicas capazes de contribuírem para a sua efetiva correção.

Caso Contrário

Gostar ou não gostar dos rankings

1. Desde 2002, há mais de 15 anos, que se publicam classificações das escolas com base nas médias das notas obtidas pelos seus alunos nos exames nacionais: são os chamados rankings das escolas. O debate público sobre os rankings é hoje muito difícil. As posições a favor e contra estão radicalizadas e, como refere Nuno Garoupa, são expressas, como noutros temas políticos, ao modo das claques de futebol. As partes em confronto não se ouvem e não trocam argumentos de forma racional. Ainda assim, considero que vale a pena insistir no tema.

Caso Contrário

Provocar mais sofrimento inútil

1- Na segunda-feira, dia 8 de janeiro, alguns jornais, como o Público em Portugal, noticiavam que a administração Trump decidiu colocar sob ameaça de deportação 200 mil salvadorenhos. Milhares de famílias, milhares de crianças que, desde 2001, ou em alguns casos antes disso, residiam nos EUA, maioritariamente ao abrigo de um estatuto especial atribuído na sequência da devastação provocada pelo grande terramoto que naquele ano devastou São Salvador, foram agora alvo de uma decisão aparentemente absurda. Absurda porque não resultou de um qualquer problema colocado pelas pessoas agora ameaçadas de deportação, hoje mais americanas do que salvadorenhas, sobretudo no caso das crianças que cresceram nos EUA como americanos. Porquê?