Wikipédia pede dois euros a cada leitor, "o preço de um café"

Enciclopédia gratuita disponível em 291 línguas precisa de 60 milhões de euros por ano para se manter online e crescer

A Wikipédia está pedir ajuda aos seus leitores. Para se manter online e em crescimento, a maior enciclopédia gratuita da internet está a apelar a doações de dois euros por utilizador. "É isso mesmo, tudo o que precisamos é o preço de um café", diz, na mensagem publicada no site. Se cada pessoa que ler a mensagem fizesse a doação, os responsáveis acreditam que o "angariador de fundos" ficaria completo numa hora. Ao DN, a Wikipédia diz que no ano fiscal 2014-2015, a Europa doou 23 milhões de dólares (cerca de 20.4 milhões de euros), menos de metade do total angariado (mais de 51 milhões de euros).

"Para proteger a nossa independência, nunca usamos publicidade. Somos sustentados por donativos de cerca de 10 euros, o que apenas nos é dado por uma pequena parte dos nossos leitores", lê-se no site. Os responsáveis explicam que a Wikipédia é "um website pequeno sem fins lucrativos", mas tem os custos de um website de topo: "servidores, equipa e programas." Por isso, "se a Wikipédia lhe é útil", a enciclopédia gerida pela Wikimedia Foundation pede "um minuto para mantê-la online e em crescimento."

Estes pedidos não são novidade. Periodicamente, a Wikipédia, que emprega 280 pessoas, apela à generosidade de quem a utiliza. Contactado pelo DN, Alex Bluestone, da Wikimedia Foundation, diz que "o objetivo da campanha de fundos anual é aumentar o orçamento operacional [da Wikipédia e dos seus projetos irmãos] no ano fiscal seguinte", o que inclui "suporte técnico" e apoio à "comunidade global de editores que contribuem no mundo todo."

Para o ano fiscal 2015-2016, o orçamento operacional é de 68 milhões de dólares (cerca de 60 milhões de euros), mais 13 milhões do que o valor das despesas do ano passado. Os custos inerentes ao site, explica Alex Bluestone, não implicam exclusivamente os servidores. "Construímos tecnologia para ajudar as pessoas a aceder à Wikipédia em todos os lugares. Projetamos a privacidade dos leitores e editores, criamos programas e iniciativas para que possa estar disponível gratuitamente em todo o mundo. Damos ferramentas para que os editores possam melhorar e fazer crescer a Wikipédia." Cerca de um quarto do orçamento é direcionado para "a comunidade que faz o site", nomeadamente para que voluntários enriqueçam a informação do site.

Paulo Querido, jornalista e consultor de novos media, explica que os custos maiores são com a "infrestrutura, servidores e tráfego". Mas também há "engenheiros, técnicos e programadores, que precisam de ser remunerados". Embora a Wikipedia possa já ter "passado de moda" nos media - há menos notícias - e "já nem se dê por ela", a Wikimedia continua "a ter planos" e, por isso, precisa de investimento para evoluir.

Sobretudo nos artigos em português, Paulo Querido diz que há informações desatualizadas e que nos últimos anos deixaram de ser mantidas com entusiasmo. "A quantidade de pessoas com disponibilidade de tempo para o bem comum não é grande. Nunca foi e nunca será", refere. Isto tanto se verifica em Portugal como no Brasil. Ou há algum "desinteresse", ou a Wikipédia pode estar estagnada nos países de língua portuguesa.

Exclusivos