Sardinha não vai faltar, governo garante pesca

Parecer do organismo científico de aconselhamento da Comissão Europeia recomendou a suspensão da pesca por um período mínimo de 15 anos para repor o stock

O governo não vai suspender a pesca da sardinha, tal como recomendou o Conselho Internacional para a Exploração do Mar (ICES, na sigla em inglês), garantiu ontem o Ministério do Mar ao DN.

A notícia com a possibilidade inédita da suspensão da pesca de um dos peixes mais apreciados pelos portugueses, e o mais vendido em lota em 2015, caiu que nem uma bomba. As reações não se fizeram esperar. "Absolutamente impensável", "inacreditável" e "cenário apocalíptico", foram algumas das expressões utilizadas pelos dirigentes associativos do setor. Mesmo depois de numa nota divulgada à comunicação social, o ministério liderado por Ana Paula Vitorino assumiu implicitamente que não iria acatar a recomendação do conselho.

"O governo mantém uma gestão precaucionária do recurso de sardinha de acordo com os pareceres e aconselhamento dos organismos científicos competentes", com medidas que incluem "limites de captura diários, mensais e semestrais", além de "períodos alargados de defeso", refere o documento do Ministério do Mar, garantindo ainda que "continuará a monitorizar intensamente a evolução deste recurso, com o adequado e reforçado acompanhamento científico, ponderando igualmente os impactos socioeconómicos, ambientais e até culturais, numa gestão sustentável e responsável da sardinha portuguesa".

Num parecer (não vinculativo) noticiado pelo Jornal de Negócios, o organismo científico de aconselhamento da Comissão Europeia sobre as quotas de captura de peixe defende que o plano de gestão da pescaria de sardinha acordado entre Portugal e Espanha "não é precaucionário, nem no curto nem no longo prazo, tendo em conta a produtividade observada desde 1993".

Este Conselho vai mais longe ao afirmar que serão precisos 15 anos para se voltar aos limites mínimos adequados: "Pôr o stock [de sardinhas] acima do limite de biomassa desovante adequado exigirá, com elevada probabilidade (mais de 95%), 15 anos sem pesca alguma", refere o parecer, que frisa, no entanto, que "se o atual nível de recrutamento (número de sardinhas que superam a idade mínima de um ano para entrar no stock pescável) continuar nos níveis baixos em que está, no futuro aquele limite pode não ser atingido sequer sem nenhuma pesca".

"Parava a frota toda"

As associações do setor não demoraram a reagir. "Estamos perplexos. Discordamos totalmente deste parecer e não compreendemos como passamos de um cenário relativamente positivo, com uma ligeira recuperação do recurso e com base na recomendação do ano anterior, para este cenário tão pessimista, diria até apocalíptico", frisou o presidente da Associação Nacional das Organizações de produtores da Pesca do Cerco, Humberto Jorge.

"Temos reconhecido o problema e diminuímos o período de atividade ao longo de dez anos para níveis mínimos como nunca tivemos, mas também é um facto que assistimos a uma permanente estabilização da biomassa e neste último ano até a uma melhoria da biomassa na faixa portuguesa", acrescentou.

O secretário-geral da Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe, Castro e Melo, lamentou o conselho e qualificou o parecer de "inacreditável". Salientando que, a concretizar-se, seria "muito mau" e "parava a frota toda, não sei quantas fábricas e empregos". "Está provado que os problemas que existem com a sardinha não têm que ver com excesso de captura, mas com as condições climatéricas. Ou seja, mesmo que a captura pudesse parar estes anos todos, provavelmente ficaríamos na mesma situação. Parar 15 ou 20 anos ou não parar, o resultado será o mesmo", garantiu aquele responsável.

Monitorização está em curso

Na nota divulgada, o Ministério do Mar começa por referir que a informação em que se baseou este parecer está desatualizada na medida em que é feito "com base numa norma de exploração da pesca de sardinha aprovado em 2013".

O comunicado refere ainda que Ana Paula Vitorino já tinha determinado o "reforço das campanhas científicas" destinadas a recolher informação sobre o estado dos stocks, "havendo atualmente duas campanhas por ano dirigidas à sardinha".

"Justamente a análise destes dados, bem como das discrepâncias e dúvidas fundadas sobre os dados em algumas áreas das nossas águas, justificou a decisão de determinar que o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) realizasse no próximo mês de agosto um novo cruzeiro científico na zona ocidental centro-norte", lê-se na nota, que refere ainda que "os dados recolhidos serão integrados no aconselhamento do ICES previsto para meados de outubro".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.