Relacionar orientação sexual com vírus Monkeypox "não faz qualquer sentido", defende ILGA

"O que nós temos de focar sempre é nos comportamentos", defende a presidente da ILGA Portugal.

A ILGA Portugal (Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersexo) defendeu esta quinta-feira que "não faz qualquer sentido" relacionar a orientação sexual com o vírus Monkeypox ou qualquer outra doença, sublinhando que o foco tem de estar nos comportamentos.

"Não faz qualquer sentido relacionar a orientação sexual com esta doença ou com qualquer outra, o que nós temos de focar sempre é nos comportamentos", defendeu a presidente da ILGA Portugal, em declarações à Lusa.

Ana Aresta sublinhou que "a ciência tem de ser a base" e sustentou que "não há qualquer correlação e não há nada que prove uma correlação" entre a transmissão do vírus Monkeypox e a orientação sexual das pessoas infetadas.

"Já não estamos nos anos 80 ou 90 em que de facto a desinformação contribuía para o estigma, já não estamos nesse momento", referiu a responsável, lembrando a batalha por causa dos homens homossexuais que estavam impedidos de dar sangue e como, entretanto, isso foi desbloqueado.

Na quarta-feira, a diretora do Programa Nacional para as Infeções Sexualmente Transmissíveis e VIH confirmou que os cinco primeiros casos detetados em Portugal eram de "homens que têm sexo com homens", apesar de admitir que esse dado pode ter a ver apenas com "a forma como foi dado o alerta".

"Ainda não sabemos mais. Não está descrita, classicamente, a via de transmissão sexual [como passível de causar esta infeção], mas há transmissão por contacto próximo, íntimo e prolongado", disse Margarida Tavares.

Há 14 casos confirmados da doença em Portugal

Para Ana Aresta, há "uma associação interesseira de dados que dizem que pessoas homossexuais testaram positivo" para a doença, destacando que também houve pessoas LGBTI a testarem positivo para a covid-19 e que nunca se fez qualquer associação entre a doença e a orientação sexual, apesar de também a covid-19 ser transmitida por fluidos corporais.

A presidente da ILGA defendeu, por isso, que a "forma como se comunica não poder ser leviana", já que estão em causa grupos sociais "historicamente estigmatizados".

"A estigmatização da população LGBTI ou outras minorias é uma realidade sempre que existem este tipo de afirmações e a forma como se comunica, a forma como se informa a população tem de ser pensada e ponderada de forma que as pessoas não sejam ainda mais discriminadas nos seus contextos de dia-a-dia", concluiu.

Em Portugal foram contabilizados, até dia 18 de maio, 14 casos, estando a ser feitos pela Direção-Geral da Saúde inquéritos epidemiológicos para identificar cadeias de transmissão e potenciais novos casos.

O vírus Monkeypox é do género Ortopoxvírus (o mais conhecido deste género é o da varíola) e a doença é transmissível através de contacto com animais, ou ainda contacto próximo com pessoas infetadas ou com materiais contaminados.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG