Padre veio de Roma para levar André a Fátima

Na manhã deste sábado (dia 16), André Cardoso (com paralisia cerebral e dificuldades motoras) vai cumprir o sonho de fazer uma peregrinação a pé, até Fátima. Um jovem padre ajuda a cumprir o desejo.

Às primeiras horas da manhã deste sábado, 16 de setembro, André Cardoso, 27 anos, há de começar a concretizar um sonho de toda a vida: ir a Fátima, em peregrinação, a pé.

O que pode parece simples a acessível à primeira vista, para um jovem daquela idade - natural de Caldas da Rainha, não tão longe assim de Fátima - é, afinal, um passo de gigante para o rapaz: André tem paralisia cerebral, dificuldades motoras e cognitivas associadas e quase não vê. Mas ouve. E foi por isso que, na manhã de 6 julho passado, quando um grupo de peregrinos passava à sua porta, vindo de Óbidos, saiu à rua para lhes dizer o que a família ouvia há anos: queria muito ir com eles, assim, caminhar em peregrinação até Fátima.

"Aquilo tocou-me profundamente. E logo ali prometi-lhe que haveríamos de o levar". Quem fez a promessa foi o padre David Palatino, que naquele dia liderava a peregrinação. Volvidos pouco mais de dois meses, é ele de novo a figura determinante desta história, organizando a viagem que começa este sábado, de autocarro, em Óbidos, e atinge o seu ponto alto quando o grupo (em que estão inscritas quase 100 pessoas) chegar a Porto de Mós, e a partir daí percorrer a pé os 15 km que distam do Santuário de Fátima.

"Nós estávamos em grupo e parámos ali, à porta do André, à espera uns dos outros. Ele veio à janela e saiu à rua. Nessa altura a alegria contagiante dele emocionou a todos. "Levem-me, por favor, que o meu sonho é ir a Fátima a pé", disse ele. E eu prometi que havíamos de levar". David Palatino, padre há cinco anos, estuda em Roma. Tem apenas mais cinco anos que André, e um lema de vida: "não deixes para amanhã o que podes fazer hoje".

Assim se explica que, um dia depois de voltar dessa peregrinação que organizara, a partir de Óbidos, nas suas "férias grandes" em Portugal, tenha ido de imediato a casa de André, falar com ele e com os pais. Anabela Elias Cardoso, a mãe, lembra-se bem do momento em que percebeu a determinação do padre. O filho, que desde pequeno sempre acompanhara a avó nas idas à missa de domingo e outras atividades religiosas, revelou-se sempre devoto de Nossa Senhora de Fátima. A família leva-o com frequência ao Santuário, de carro. "Nunca me passou pela cabeça levá-lo a pé, apesar de ele pedir. Sempre achei que seria difícil, pelas suas dificuldades de locomoção. Mas a vontade do padre David e de toda a gente envolvida fez-me acreditar que pode ser possível, num trajeto pequeno, e ajudado por nós. Levamos também uma cadeira de rodas, para quando for preciso", contou ao DN, a poucas horas de ajudar o filho a cumprir esse sonho.

André nasceu no termo de uma gravidez normal, mas logo aos primeiros meses de vida a família percebeu que algo não estava bem, o que haveria de revelar-se no diagnóstico da paralisia cerebral. Foi sempre à escola, devidamente apoiado pelos programas específicos, e nos últimos anos, já adulto, frequenta o Centro de Educação Especial Rainha Dona Leonor, nas Caldas da Rainha, concelho vizinho de Óbidos, de onde é natural o padre David. No entanto, não se conheciam. "Os pais sempre tiveram receio de o levar a pé, por acharem que ele não aguentaria. Por isso encontrámos esta alternativa", revela. Anabela ficou relutante, mas aceitou. E este sábado acompanha o filho, ela e mais 20 membros da família, entre tios e primos.

Realizador de sonhos

Na peregrinação que levará André ao Santuário de Fátima há gente de vários concelhos do oeste: Óbidos, Caldas da Rainha, mas também Alenquer, que albergou David Palatino na sua primeira experiência enquanto pároco.

Ordenado em 2012, ele próprio descobriu o gosto pelas peregrinações quando chegou à sua primeira paróquia, já com tradição nesse capítulo. Até então só o fizera "em curta distância, e algumas vezes de carro. Desde então, desde 2013, faço-o sempre. Pelo menos duas vezes a pé e uma de avião". Importa contar aqui outro pormenor: o padre David já era licenciado em Turismo pela Escola Superior do Estoril quando despertou para a vocação e entrou para o seminário. Até fazer o crisma, na juventude, "não era um católico praticante, como costumamos dizer".

Depois disso envolveu-se na vida da Igreja, na vertente cultural, sobretudo. Ainda estava a estudar quando o convidaram para fazer uma espécie de retiro, que haveria de o cativar definitivamente. "Aquela semana no seminário abriu-se essa possibilidade de ser padre. E foi assim". Passaram cinco anos desde a primeira missa, esteve três anos na paróquia de Merceana (Alenquer) e foi para Roma especializar-se em Sagrada Escritura, por onde ficará ainda mais alguns anos. Regressa a Portugal e a Óbidos três vezes por ano.

"Aproveito sempre para fazer também o que gosto. Na verdade eu sempre gostei de Turismo, de organizar, de proporcionar viagens às pessoas. Todos os anos organizo uma viagem-peregrinação ao estrangeiro, para as pessoas de cá. Está um bocadinho em mim tentar realizar os sonhos das pessoas. Acredito mesmo que o sonho comanda a vida, e por isso acho importante alimentarmos os sonhos para que eles tornem difíceis mas possíveis. E foi isso que me moveu também a levar o André nesta peregrinação". Nessas duas dimensões da sua vida, junta a vocação de ser padre ao talento turístico. De permeio já peregrinou até Santiago de Compostela e Ávila, a pé, em grupo e sozinho.

O grupo partirá de Óbidos num autocarro, às 7 da manhã deste sábado (16 de setembro). Às 8, faz uma paragem junto ao estádio de Porto de Mós, onde se inicia a peregrinação a pé. Em Fátima, há de celebrar-se uma missa. E ao chegar ao fim dia o André terá realizado um sonho. "Eu acho que ele é feliz. É isso que ele me diz muitas vezes", sublinha a mãe. André sorri. Muito e muitas vezes.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG