"Os nossos satélites estão prontos para serem lançados"

Logo em 2001, quando criaram a Tekever, os seus três fundadores, todos colegas do Instituto Superior Técnico, da Engenharia Informática, ganharam o primeiro contrato na área do espaço. Nunca mais pararam. Além do Gamalink, nas comunicações, a empresa também já desenvolveu os seus próprios satélites, que estão prontos a voar para órbita.

Como surgiu o Gamalink?

A Tekever tem trabalhado em comunicação e processamento nas tecnologias móveis desde 2001. O Gamalink foi o nosso primeiro produto com esse know-how para o espaço. Começámos a trabalhar em espaço logo em 2001, estivemos envolvidos no Galileo, para o qual fizemos terminais para testar a qualidade e a precisão do sinal.

Isso deu-vos o conhecimento de que precisavam para esta área?

Acima de tudo, foi o primeiro projeto na área do espaço, para a ESA, e colocou-nos num modo de pensar e de funcionar diferente, com padrões de qualidade para o espaço e toda a comunicação na empresa em inglês. A empresa nasceu a 4 de janeiro de 2001, e esse foi o primeiro contrato, em março.

Que vantagens tem o Gamalink para a comunicação dos satélites?

Uma das grandes alterações que está a haver no espaço é o que se chama new space, com a tecnologia cada vez mais miniaturizada. Hoje, um satélite pequeno, do tipo cube sat ,tem mais capacidade do que um satélite que há dez anos tinha a dimensão de uma máquina de lavar, e chega a ser cem vezes menor. Se um satélite daqueles poderia pesar cem quilos, um cube sat pode pesar quilo e meio. Uma das formas de tirar partido destes satélites mais pequenos é pô-los a comunicar mais. Se comunicarem em rede [vários Gamalinks geram a Gamanet], conseguem fazer mais coisas, cumprem o mesmo objetivo e os custos do lançamento são muito mais baratos. Ou se usam lançadores mais pequenos, ou então os lançadores levam muito mais satélites. Por outro lado, há maior tolerância a falhas. Se houver um erro num desses satélites do tipo máquina de lavar, ele pode ficar completamente inoperacional. Mas se forem dez satélites destes de um quilo, e se um deixar de funcionar, os outros nove continuam e, como comunicam entre eles, podem redistribuir tarefas, desde que os softwares e as tecnologias de comunicação o permitam, como acontece com os Gamalinks. E há versatilidade. Podemos ter satélites de tamanhos diferentes, com capacidades diferentes, para um efeito de rede.

A Tekever também está a desenvolver satélites. Quando é que eles poderão voar?

O Gamasat, que é o maior [ver foto, à esquerda, em cima], foi desenvolvido integralmente pela nossa equipa. O mais pequeno foi feito em conjunto com uma equipa do Brasil. Estes satélites estão prontos para serem lançados, estamos agora a avaliar oportunidades.

E o que estão a preparar para o futuro?

Mantemos planos a seis, sete anos. Temos equipas a trabalhar exclusivamente nas tecnologias mais promissoras. Uma é a inteligência artificial, uma área que tem dado saltos significativos e na qual não podemos ficar para trás. Outra é a segurança informática, que é cada vez mais crítica, e outra é a quantum computing, que revolucionará a forma de pensar o software. Ainda não há computadores desses a funcionar, mas podem aparecer de um dia para o outro e quem tiver know-how nessa área dará um salto significativo.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.