Morreu Pedro Lains, "figura cimeira da nova geração de historiadores económicos portugueses"

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou a morte do economista Pedro Lains, lembrando-o como "figura cimeira da nova geração de historiadores económicos portugueses", com um "espírito eternamente jovem e irreverente".

O economista e investigador Pedro Lains morreu esta tarde, aos 62 anos, anunciou o politólogo António Costa Pinto no seu Facebook. Morreu vítima de cancro.

"É com muito pesar que informo que faleceu esta tarde o nosso colega do ICS-UL e meu amigo, Pedro Laíns. Foram muitos anos de uma relação sempre excelente, desde os tempos em que me contactou na década de 1980, quando pensou fazer o Doutoramento no Instituto Universitário Europeu de Florença, até ficarmos colegas em Portugal, vizinhos de andar e de muitas outras coisas e lugares", escreveu António Costa Pinto.

"Foi um excelente académico, com uma presença internacional marcante na História económica", referiu.

Pedro Laíns nasceu em Lisboa, em 1959, e licenciou-se em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa em 1983, completando o doutoramento em História pelo Instituto Universitário Europeu de Florença em 1992.

Era investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, investigador do Instituto Laureno Figuerola da Universidade Carlos III (Madrid) e foi director da revista Análise Social. Colaborou nos suplementos de Economia do Diário de Notícias, Público, Expresso e Jornal de Negócios. Algumas das crónicas foram reunidas no livro O Economista Suave (2007) e em O Economista Suave Outra Vez (2014).

Pedro Lains centrou a sua investigação em história económica dos séculos XIX e XX, "preocupando-se sobretudo com o estudo do crescimento económico de longo prazo de Portugal e dos países periféricos da Europa, com o estudo da integração europeia e com os problemas atuais da economia portuguesa", refere uma nota de apresentação publicada na página do ICS na internet.

O economista é autor dos livros "História da Caixa Geral de Depósitos, 1876-2010", "Os Progressos do Atraso - Uma Nova História Económica de Portugal", "Sem Fronteiras - Os Novos Horizontes da Economia Portuguesa" e "A Economia Portuguesa no Século XIX", sendo coautor de "História Económica de Portugal, 1143-2010", "Os Petróleos em Portugal - Do Estado à Privatização 1937-2012" e de "Portugal em Análise".

"Figura cimeira da nova geração de historiadores económicos portugueses", recorda Marcelo

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou a morte do economista Pedro Lains, lembrando-o como "figura cimeira da nova geração de historiadores económicos portugueses", com um "espírito eternamente jovem e irreverente".

"O Presidente da República lamenta profundamente a morte do Professor Pedro Lains, figura cimeira da nova geração de historiadores económicos portugueses", lê-se na nota publicada no sítio da internet da Presidência da República.

O chefe de Estado sublinha, na mesma nota, que "no seu trabalho sobre a economia portuguesa nos séculos XIX e XX convergiram, de modo inovador, um profundo conhecimento historiográfico e uma invulgar competência económica, contribuindo de modo marcante para uma nova visão sobre evolução do país naquele período".

"Autor de vasta obra com reconhecimento nacional e internacional, o seu espírito eternamente jovem e irreverente tornam ainda mais prematuro o seu desaparecimento", refere Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República apresentou "sentidas condolências à família, aos amigos e ao Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa por esta grande perda".

Atualizado às 10:25 de 17 de maio com as declarações do Presidente da República

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG