Missão Espacial CHEOPS descobre exoplaneta com a forma de uma bola de râguebi

A descoberta do exoplaneta Wasp-103b foi feita por uma equipa de investigadores liderada pela portuguesa Susana Barros.

Uma equipa internacional de investigadores liderada pela portuguesa Susana Barros do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IAstro2) descobriu e estudou o exoplaneta Wasp-103b que tem aproximadamente a forma de uma bola de râguebi e orbita uma estrela 1,7 vezes maior e cerca de 200 graus mais quente do que o Sol.

A descoberta, com base em novas observações efetuadas pela missão espacial CHEOPS, da Agência Espacial Europeia (ESA), foi agora publicada na revista Astonomy & Astrophysics.

Em comunicado, o IAstro explica que "Este exoplaneta está tão próximo da sua estrela, que demora apenas um dia a completar uma órbita. Com uma proximidade tão extrema, há muito que os astrónomos desconfiavam que as enormes forças de maré provocadas pela estrela resultariam numa enorme deformação do planeta, que até agora não tinha sido possível confirmar".

Susana Barros realça: "Este resultado é fruto de vários anos do nosso trabalho no IAstro, para desenvolver modelos de deformação de planetas e modelos de análise de dados de extrema precisão. Isto permitiu-nos liderar este estudo dentro do consórcio do CHEOPS, cuja extrema precisão permitiu detetar pela primeira vez a forma deformada de um exoplaneta".

A investigadora citada no comunicado explica que "devido à proximidade com a sua estrela, o WASP-103b é muito quente, com uma temperatura de 2500 K. Pensa-se que isto é a causa do planeta ser inchado relativamente a Júpiter, com um diâmetro 2 vezes maior. Assim, é bastante interessante que a estrutura interna dos dois planetas seja semelhante."

Através das observações de trânsitos do exoplaneta, efetuadas pelo CHEOPS, com dados já conhecidos do Telescópio Espacial Hubble (NASA/ESA) e do Telescópio Espacial Spitzer (NASA), a equipa conseguiu confirmar que o planeta é mais largo no equador do que nos polos, tendo uma forma aproximadamente semelhante a uma bola de rugby.

No entanto, devido à pouca precisão nos cálculos do número de Love serão necessárias mais observações com o CHEOPS, complementadas com observações do recém lançado JWST - Telescópio Espacial James Webb (NASA/ESA), que vão melhorar as medições das deformações dos exoplanetas. Susana Barros conclui que "Se conseguirmos determinar a sua estrutura com mais observações, podemos perceber melhor porque é que o planeta está tão inchado. Saber o tamanho do seu núcleo será ainda importante para perceber como se formou este exoplaneta."

O IAstro vai, durante os próximos anos, avançar com o lançamento do telescópio espacial PLATO (ESA) em 2026, da missão ARIEL (ESA) em 2029, e a instalação do espectrógrafo HIRES6 no maior telescópio da próxima geração, o ELT (ESO), previsto para entrar em funcionamento em 2030.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG