Vizinhos ajudam a salvar restaurante de português em Londres

O caso foi notícia na imprensa local britânica e José Mendes espera que o episódio sirva de alerta para mais portugueses proprietários de restaurantes no Reino Unido

A intervenção de dezenas de vizinhos e clientes de um restaurante na região de Londres foi essencial para evitar que o estabelecimento perdesse a licença de funcionamento, disse à Lusa o proprietário, o português José Mendes.

Em agradecimento, o madeirense, natural de Estreito de Câmara de Lobos, encerrou as portas na segunda-feira à noite e ofereceu uma festa: "Como as pessoas nos apoiaram tanto, resolvi convidar as pessoas para mostrar o nosso agradecimento"

O irmão, António, admitiu que a participação pessoas superou as expectativas, mostrando-se igualmente satisfeito com o carinho recebido pela comunidade local.

Foi há duas semanas que a autarquia local decidiu manter a licença de funcionamento do restaurante Caffe Mamma, numa sessão inédita com mais de 50 pessoas na audiência.

Aberto há 36 anos, foi adquirido ao antigo patrão por José Mendes em 2010, mas em setembro deste ano foi confrontado com uma inspeção dos serviços de imigração, que identificaram um empregado de nacionalidade albanesa com visto de trabalho prescrito.

Além de uma multa que pode ir até 20 mil libras (22,4 mil euros), as autoridades abriram um processo de infração para ser reavaliada a aptidão para manter a licença do restaurante.

A advogada Rupinder Matharu referiu que é uma consequência automática de uma lei que entrou em vigor este ano, e que responsabiliza os empregadores por garantirem que os trabalhadores estão regularizados.

Esta é uma das medidas que o governo britânico implementou para reforçar o controlo sobre a imigração, e que tem atingido muitos negócios do setor da restauração.

Para defender o Caffe Mamma, a advogada usou cartas e emails escritos por cerca de 50 pessoas em abono da família Mendes e do restaurante, que se mobilizaram espontaneamente.

"Tínhamos de usar as cartas porque eram tão fortes. Todas tinham uma história. Neste tipo de casos, as pessoas normalmente escrevem em defesa do encerramento e não para manter", revelou à agência Lusa.

O restaurante foi autorizado a continuar a operar, mas sujeito a algumas condições, nomeadamente o reforço do sistema de videovigilância e a prova de que os restantes funcionários têm a situação regularizada.

A decisão foi recebida com júbilo na sala, contaram vários presentes à Lusa.

"Ouvi um funcionário dizer que nunca tinha visto nada assim", contou Joe Jones, membro do clube de rugby London Welsh e um dos ativistas pela manutenção do restaurante.

O clube, que realiza regularmente eventos de angariação de fundos no espaço do restaurante, que apoia ainda outras iniciativas, escreveu uma carta e a esposa de Jones endereçou outra, em nome da família. "Nós só sobrevivemos com a ajuda de pessoas e negócios como este e o José tem sido excecional", vincou.

Outro vizinho, Geoffrey Pidgeon, enalteceu a importância de restaurantes independentes como este e locais para manter o sentimento de comunidade.

O caso mereceu notícia na imprensa local britânica e José Mendes espera que o episódio sirva de alerta para mais portugueses proprietários de restaurantes no Reino Unido.

"Pessoas com negócios pequenos não têm tempo para estar frente ao computador a ver as regras e as leis que mudam", justificou-se.

Para sua surpresa, descobriu que, mesmo tendo as contribuições fiscais todas em dia, o patrão que tem de garantir que a autorização de trabalho está válida. "Foi uma situação muito preocupante quando me disseram que podia perder a licença", admitiu o português, que vive e trabalha em Londres desde 1991.

Apesar de servir essencialmente comida italiana, frequentemente adiciona o bitoque ou a espetada à madeirense à ementa, a qual inclui pastéis de bacalhau, vinho e cerveja portugueses.

"Há pessoas que vão a Portugal e pedem. Mas muita gente pensa que sou italiano. No outro dia, um cliente disse-me: 'Que pena, vocês não vão ao Mundial [de Futebol].'". Ao que Mendes respondeu, sem hesitação: "Ai vamos, vamos! Eu sou da equipa do Cristiano Ronaldo!".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.