Alcácer do Sal vai ter "um dos maiores templos budistas" do mundo ocidental

A construção foi feita com recurso a "materiais comuns" portugueses, como o chão de mármore alentejano. Templo é inaugurado sábado

Um "dos maiores templos budistas" do mundo ocidental, com 16 metros de altura, vai ser inaugurado pela comunidade Guhya Mantrika no sábado no Centro de Retiros de Santa Susana, no concelho de Alcácer do Sal.

O "Stupa Tashi Gomang", como é também chamado o edifício construído de raiz no Centro de Retiros de Santa Susana, no interior do concelho de Alcácer do Sal, no distrito de Setúbal, inclui um templo interior de 36 metros quadrados no piso térreo, preparado para acolher rituais, cerimónias e palestras sobre os ensinamentos de Buda.

Essa é uma das particularidades do edifício, que representa, para a crença budista, "todas as qualidades da mente de um ser iluminado ou de um Buda", segundo explicou em declarações à agência Lusa o lama Gyurme, responsável pela Comunidade Guhya Mantrika, que abriu em 2014 o Centro de Retiros "Thubten Phuntsog Gephel Ling" de Santa Susana.

"O 'Stupa', eu começaria por dizer que, da perspetiva budista, para todos os seres vivos é importante, até para o planeta, mas do ponto de vista de uma visão mais consensual ou comum, o 'Stupa' representa todas as qualidades da mente de um ser iluminado ou de um buda", disse o Lama Gyurme.

Para a comunidade budista, o edifício, construído segundo a "arquitetura sagrada", é importante, não apenas para cerimónias e meditação, mas porque "atrai circunstâncias auspiciosas para todo o planeta" e "particularmente para Portugal e para a região".

Ou seja, o templo, segundo o budismo, explicou o mesmo responsável, "pacifica conflitos, incrementa a prosperidade, não só a nível material, mas também a interna".

Apesar de existirem outros "stupas" em Portugal, este novo templo "é o primeiro em duas características", destacou o Lama Gyurme, referindo-se à dimensão e à tipologia, uma vez que existem oito diferentes tipos de edifício que podem ser construídos.

A construção foi feita com recurso a "materiais comuns" portugueses, incluindo, por exemplo, o chão de mármore alentejano, mas a maioria das componentes sagradas, como "algumas estátuas", chegaram de fora do país, com origem no Tibete e no Nepal.

O edifício sagrado está pronto, a partir de sábado, para receber "várias práticas espirituais e meditativas", que podem ocorrer "no exterior do 'Stupa", enquanto o templo interior, um género de "capela", segundo exemplificou o lama Gyurme, será usado em "rituais meditativos", para "ensinamentos" e também para "tomar votos".

O "Stupa Tashi Gomang" vai ser inaugurado no sábado, com celebrações que começam pelas 10:00, com uma "Cerimónia de Consagração", um ritual meditativo tradicional aberto a todos, seguido de um piquenique.

Para as 15:00 está previsto o discurso inaugural pelo lama Chödor e por representantes da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, terminando o dia com animação cultural, com cantares alentejanos, folclore local e nepalês, a partir das 16:00.

O edifício está instalado no Centro de Retiros "Thubten Phuntsog Gephel Ling" criado pela comunidade Guhya Mantrika de budismo tibetano, que promove e organiza atividades e retiros ao longo do ano em articulação com o Centro de Estudos Tibetanos "Pendê Ling" de São João do Estoril.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.