Um curso que leva alunos da estratosfera aos Olímpicos

Ex-alunos do curso com a média mais alta do país, que neste ano destronou Medicina, trabalharam com astronautas e ajudam a criar caiaques de medalhados

As 86 vagas que o Instituto Superior Técnico (IST) da Universidade de Lisboa oferece neste ano no curso de Engenharia Aeroespacial estão muito acima das que existiam quando Luís Oliveira entrou para o curso, em 2001. Uma das mais seletivas formações do país - neste ano com as notas mais altas, a par de Engenharia Física e Tecnológica, da mesma instituição -, o curso é também uma porta aberta para um futuro com o qual a maioria dos estudantes nem se atrevem a sonhar.

Muitos diplomados em Engenharia Aeronáutica acabam por trabalhar para os líderes mundiais e nacionais da sua área. Outros optam por manter a ligação às instituições, através da investigação e desenvolvimento, ou lançar os próprios projetos.

Quando fez o programa Erasmus no final do curso de Engenharia Aeronáutica do Instituto Superior Técnico (IST), há uma década, Luís foi para a Holanda, para a Universidade Técnica de Deft. "Há lá uma comunidade muita grande de pessoal que saem aqui do curso e fui muito bem recebido, quer pelos holandeses quer pelos portugueses de lá", recorda.

Acabou por passar três anos no país a trabalhar no projeto de "um superbus, um autocarro elétrico de alta velocidade, todo em compósito, concebido para andar a 250 quilómetros por hora". O coordenador era Wubbo Ockels, físico e astronauta holandês - o primeiro holandês a viajar para o espaço -, que morreu em 2014. A sua "chefe direta" era Antónia Terzi, especialista em aerodinâmica e a primeira mulher da história a ser "chefe de aerodinâmica de uma equipa de Fórmula 1, a Willians/BMW".

Atualmente trabalha no Polo de Inovação e Engenharia de Polímeros (PIEP), um interface da Universidade do Minho, em Guimarães, onde a sua equipa já desenvolveu projetos para empresas nacionais: "Um dos produtos desenvolvidos por nós são as botijas [de gás] Pluma", conta. Também trabalham com a Nelo, maior fabricante mundial de caiaques, dominadora de todas as provas de remo nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

A formação de base não está esquecida: "Continuamos a ter muitos projetos na área espacial, na aeronáutica, com a ESA (Agência Espacial Europeia) e não só", conta. Um dos projetos em que trabalhou era partilhado com o alemão Marcus Basin, que recentemente esteve ligado ao Solar Impulse II, o avião a energia solar que deu uma volta ao mundo.

Empresas de topo e startups

Diogo Henriques, 29 anos, tem amigos, antigos alunos do IST, "em centrais nucleares francesas, na Airbus, na Critical Software, uma das poucas empresas portuguesas que trabalham em aeroespacial". E também já trabalhou "em projetos europeus". Mas a ideia de criar algo próprio sempre o fascinou mais. "Quando acabei o curso já estava a trabalhar na área do empreendedorismo. É uma área da qual eu gosto muito mas na parte aeroespacial não é fácil", admite. "Ninguém vai criar uma Airbus do zero. Foram precisos vários países para a lançar."

Mas nada o impediu de lançar há alguns anos, com vários colegas de curso, a BALUA. "É um projeto de balões estratosféricos, em que lançamos microssatélites quase para o espaço e permitimos aos alunos experimentar, da construção ao lançamento, o que é uma missão espacial", conta. A ideia surgiu quando, enquanto estudantes, depararam com a dificuldade de construir em cinco anos de curso satélites que "levam dez anos a serem lançados". Entre vários lançamentos bem-sucedidos, neste verão terão entrado na história como a primeira missão que levou uma... sardinha até à estratosfera.
Além desse projeto, sem fins lucrativos, partilha com outros dois ex-alunos do Técnico a startup Energy of Things, que desenvolveu um dispositivo que permite medir e processar em tempo real o consumo de energia em casa, detetando falhas de equipamentos e permitindo escolher o melhor plano energético. "Está a correr muito bem. Estamos agora a candidatar-nos para a Web Summit [cimeira online] através da Portugal Ventures", diz.

70% com ofertas antes de acabar

A Engenharia Física e Tecnológica - que partilha o top dos cursos com médias mais altas deste ano - é outra formação que abre um leque alargado de opções. Um estudo feito em 2011 pelo Técnico revelou que cerca de 70% dos alunos tinham ofertas de trabalho antes de se diplomarem. Mas muitos acabam por optar por aprofundar a formação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.