Um buraco negro "sem maneiras": cientistas detetam dois "arrotos" seguidos

É a primeira vez que se consegue demonstrar algo que já foi considerado na teoria, a ideia de que os buracos negros funcionam em ciclos

Astrónomos captaram um espetáculo espacial inédito: duas emissões de partículas do mesmo buraco negro, depois de sugar gás quente, conforme relatam num artigo no Astrophysical Journal.

Não é novidade que os buracos negros "ejetam" alguma energia depois de sugarem gás cósmico. Mas o que os astrónomos conseguiram captar desta vez foi um acontecimento inédito, salientam. Com a ajuda dos telescópios espaciais Hubble e Chandra, detetaram o que descrevem como "dois arrotos" de um buraco negro localizado no centro de uma galáxia, a SDSS J1354+1327, a 800 milhões de anos-luz.

"Existem muitos exemplos de buracos negros com ejeções singulares, mas nós descobrimos uma galáxia com um buraco negro supermassivo que emitiu partículas não uma, mas duas vezes", refere Julie Comeford, da Universidade de Colorado, EUA, citada pela BBC. "Tivemos a sorte de observar esta galáxia numa altura em que podemos ver claramente sinais de ambos os eventos", acrescenta numa comunicado no site do Hubble.

A astrónoma brinca que os buracos negros têm apetites vorazes, mas não têm "maneiras à mesa", usando uma analogia para melhor explicar o fenómeno: "Imaginem alguém a jantar na cozinha e a comer e a arrotar, a comer e a arrotar. Entras na divisão e há um arroto antigo ainda a pairar no ar. Ao mesmo tempo, a pessoa está a comer a refeição e volta a dar um arroto que fica também no ar."

Um "arroto", neste caso, é a emissão de partículas de grande energia pelos buracos negros, que são expelidas para o espaço interestelar.

O telescópio Hubble captou uma nuvem de gás azul e verde perto do buraco negro, o resultado de uma ejeção anterior que já se tinha expandido até 30 mil anos-luz do buraco negro. Logo depois, os especialistas repararam numa nova ejeção. "Este novo arroto move-se como uma onda de choque bastante rápida", avançou Comeford.

É a primeira vez que se consegue demonstrar algo que já foi considerado na teoria, a ideia de que os buracos negros funcionam em ciclos: comer, arrotar, dormir, e começar de novo.

A razão para a dupla ejeção, acreditam os cientistas, tem a ver com o facto de o buraco negro ter feito duas refeições separadas - talvez devido a uma colisão entre galáxias, o que se traduz numa grande quantidade de gás cósmico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.