Tudo o que precisa de saber sobre o vírus Zika

Vírus propaga-se através de picada de mosquito. Ainda não há uma vacina, mas há medidas para prevenir a infeção.

O que é o vírus Zika

É um vírus transmitido por picada de inseto, à semelhança do que se passa com a dengue, febre amarela ou vírus do Nilo Ocidental. Já foi descoberto em 1947 na floresta Zika (Uganda), que lhe deu o nome, mas só recentemente começou a propagar-se no Ocidente, com a ocorrência de um surto no Brasil, em maio. Poucos desenvolveram defesas contra o vírus.

Como se propaga?

Através de picada de mosquito, neste caso da espécie Aedes, que pode depositar os seus ovos em locais com água - os chamados criadouros - que nem precisam de ser de grandes dimensões. O aedes aegypti, o mosquito que costuma existir na Madeira, tem sido responsável pela maior parte dos casos de infeção, apesar de haver outros que o podem transmitir. Houve ainda um relato de um caso possível de transmissão através de transfusão de sangue ou sexo não protegido.

Quais os principais sintomas?

Os sintomas e sinais clínicos da doença são, em regra, ligeiros: febre, erupções cutâneas, dores nas articulações, conjuntivite, dores de cabeça e musculares. Com menor frequência, podem ainda ocorrer dores nos olhos e sintomas gastrointestinais. Há suspeitas (ainda não inteiramente comprovadas) que a doença possa provocar alterações fetais durante a gravidez, em particular microcefalia.

Por que motivo causa microcefalia nas crianças?

Ainda não há uma explicação para este facto. A verdade é que só no Brasil há 3500 casos reportados e em investigação, quando anualmente não passam de 150.

Como se pode detetar o vírus?

Não há um teste generalizado, mas pode confundir-se com dengue ou febre amarela porque reage aos testes para estes vírus. Para ter a certeza, tem de ser feito um teste laboratorial sofisticado.

Onde foram notificados casos até ao momento?

Recentemente, foram notificados casos de doença por vírus Zika em vários países, nomeadamente Brasil, Cabo Verde, Colômbia, El Salvador, Fiji, Guatemala, México, Nova Caledónia, Panamá, Paraguai, Porto Rico, Samoa, Ilhas Salomão, Suriname, Vanuatu, Venezuela, Martinica, Guiana Francesa e Honduras.

Qual o impacto da infeção em mulheres grávidas?

Considera-se que o maior impacto é no primeiro trimestre, altura em que o vírus entra na placenta e afeta o cérebro do feto em desenvolvimento. Mas ainda não se percebe bem por que motivo isto ocorre na gravidez. Perante as suspeitas, a Direção-Geral da Saúde aconselha as mulheres grávidas que tenham permanecido em áreas afetadas consultar o seu médico assistente mencionando a viagem por altura do seu regresso.

Há alguma vacina?

Não existe nenhuma vacina. A investigação nesta área acabou de ter início, o que significa que ainda haverá muitos anos sem uma proteção contra o vírus.

Que cuidados de deve ter para prevenir a infeção?

No caso de ir viajar, deverá optar por ir a uma consulta do viajante. Se estiver num país afetado tome as seguintes medidas: Utilizar vestuário adequado para diminuir a exposição corporal à picada (camisas de manga comprida, calças); Optar preferencialmente por alojamento com ar condicionado; Utilizar redes mosquiteiras; Ter especial atenção aos períodos do dia em que os mosquitos do género Aedes picam mais frequentemente (a meio da manhã e desde o entardecer ao por do sol); Aplicar repelentes de insetos observando as instruções do fabricante, bem como notar que: Crianças e mulheres grávidas podem utilizar repelentes de insetos apenas mediante aconselhamento de profissional de saúde; Não são recomendados para recém-nascidos com idade inferior a 3 meses Se tiver de utilizar protetor solar e repelente, aplicar primeiro o protetor solar e depois o repelente de insetos.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.