Portugal com a mais alta taxa de despesa em I&D no ensino superior

Só a Lituânia gastou tanto quanto Portugal em investigação e desenvolvimento no ensino superior em 2016

Portugal foi o Estado-membro da União Europeia, a par da Lituânia, com uma taxa mais elevada de despesa em investigação e desenvolvimento (I&D) no setor do ensino superior em 2016, revelam dados hoje divulgados pelo Eurostat.

Os dados do gabinete oficial de estatísticas da UE revelam, todavia, que, em termos gerais, a "intensidade de I&D", ou seja, as despesas em investigação e desenvolvimento em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB), foi de 1,27% em Portugal (correspondentes a 2,3 mil milhões de euros), abaixo da média comunitária, de 2,03%.

Na análise das despesas de investigação e desenvolvimento nos Estados-membros da UE por setor de execução, contudo, Portugal surge à cabeça dos países que, entre o que gastaram, mais investiram em I&D no setor do ensino superior (45%, o mesmo valor que Lituânia e muito acima da média comunitária, de 23%).

Dos 2.348 milhões de euros gastos em I&D em Portugal em 2016, 48% foram no setor das empresas (contra 65% da média comunitária), 5% na administração pública (contra média da UE de 11%) e 2% no setor das organizações privadas sem fins lucrativos (e neste caso o dobro da média comunitária, de apenas 1%).

No cômputo geral, os Estados-membros da UE gastaram juntos mais de 300 mil milhões de euros em I&D, 2,03% do PIB global da UE, longe dos valores de Coreia do Sul (4,23%), Japão (3,29%) e Estados Unidos (2,79%), tendo Suécia e Áustria sido os que mais investiram (em ambos os casos mais de 3% do respetivo PIB).

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.