Portugal com a mais alta taxa de despesa em I&D no ensino superior

Só a Lituânia gastou tanto quanto Portugal em investigação e desenvolvimento no ensino superior em 2016

Portugal foi o Estado-membro da União Europeia, a par da Lituânia, com uma taxa mais elevada de despesa em investigação e desenvolvimento (I&D) no setor do ensino superior em 2016, revelam dados hoje divulgados pelo Eurostat.

Os dados do gabinete oficial de estatísticas da UE revelam, todavia, que, em termos gerais, a "intensidade de I&D", ou seja, as despesas em investigação e desenvolvimento em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB), foi de 1,27% em Portugal (correspondentes a 2,3 mil milhões de euros), abaixo da média comunitária, de 2,03%.

Na análise das despesas de investigação e desenvolvimento nos Estados-membros da UE por setor de execução, contudo, Portugal surge à cabeça dos países que, entre o que gastaram, mais investiram em I&D no setor do ensino superior (45%, o mesmo valor que Lituânia e muito acima da média comunitária, de 23%).

Dos 2.348 milhões de euros gastos em I&D em Portugal em 2016, 48% foram no setor das empresas (contra 65% da média comunitária), 5% na administração pública (contra média da UE de 11%) e 2% no setor das organizações privadas sem fins lucrativos (e neste caso o dobro da média comunitária, de apenas 1%).

No cômputo geral, os Estados-membros da UE gastaram juntos mais de 300 mil milhões de euros em I&D, 2,03% do PIB global da UE, longe dos valores de Coreia do Sul (4,23%), Japão (3,29%) e Estados Unidos (2,79%), tendo Suécia e Áustria sido os que mais investiram (em ambos os casos mais de 3% do respetivo PIB).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.