Portugal com a mais alta taxa de despesa em I&D no ensino superior

Só a Lituânia gastou tanto quanto Portugal em investigação e desenvolvimento no ensino superior em 2016

Portugal foi o Estado-membro da União Europeia, a par da Lituânia, com uma taxa mais elevada de despesa em investigação e desenvolvimento (I&D) no setor do ensino superior em 2016, revelam dados hoje divulgados pelo Eurostat.

Os dados do gabinete oficial de estatísticas da UE revelam, todavia, que, em termos gerais, a "intensidade de I&D", ou seja, as despesas em investigação e desenvolvimento em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB), foi de 1,27% em Portugal (correspondentes a 2,3 mil milhões de euros), abaixo da média comunitária, de 2,03%.

Na análise das despesas de investigação e desenvolvimento nos Estados-membros da UE por setor de execução, contudo, Portugal surge à cabeça dos países que, entre o que gastaram, mais investiram em I&D no setor do ensino superior (45%, o mesmo valor que Lituânia e muito acima da média comunitária, de 23%).

Dos 2.348 milhões de euros gastos em I&D em Portugal em 2016, 48% foram no setor das empresas (contra 65% da média comunitária), 5% na administração pública (contra média da UE de 11%) e 2% no setor das organizações privadas sem fins lucrativos (e neste caso o dobro da média comunitária, de apenas 1%).

No cômputo geral, os Estados-membros da UE gastaram juntos mais de 300 mil milhões de euros em I&D, 2,03% do PIB global da UE, longe dos valores de Coreia do Sul (4,23%), Japão (3,29%) e Estados Unidos (2,79%), tendo Suécia e Áustria sido os que mais investiram (em ambos os casos mais de 3% do respetivo PIB).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.