Pássaros descobrem utilidade dos objetos a brincar

Estudo feito no Reino Unido envolveu uma espécie de corvos e outra de papagaios

Tal como os bebés humanos, o corvo-da-nova-caledónia e o papagaio-da-nova-zelândia aprendem sobre a utilidade dos objetos ao brincar com os mesmos. De acordo com um estudo publicado ontem na Science Daily, feito por investigadores das universidades de York e St Andrews, no Reino Unido, as duas espécies de pássaros conseguem resolver as tarefas com mais sucesso se, antes disso, tiverem tido a oportunidade de brincar com os objetos envolvidos nas mesmas.

Da mesma forma que os bebés recolhem informação sobre o mundo em que vivem através do jogo, diz a publicação que estes animais também o fazem de forma lúdica. Para chegar a essa conclusão, os investigadores estudaram a maneira como os animais interagiam com os objetos antes, durante e depois de uma determinada tarefa.

"Descobrimos que ambas as espécies são melhores as selecionar as ferramentas para resolver uma tarefa se tiverem a oportunidade de as explorar previamente, o que sugere que estão a aprender algo sobre as suas propriedades enquanto interagem com elas", explica Katie Slocombe, do Departamento de Psicologia da Universidade de York.

A equipa acredita que fazer os mesmos testes a outras espécies pode vir a fornecer mais pistas sobre as diferentes funções do jogo e e da exploração e da relação com o uso de ferramentas e a resolução de problemas.

Segundo Megan Lambert, estudante de doutoramento na mesma faculdade, este tipo de "aprendizagem latente", sem reforço, é particularmente importante para que os animais possam usar objetos como ferramentas em vários contextos de "resolução criativa de problemas". De acordo com o investigador, não há evidências de que as aves mudem a maneira como interagem com os objetos depois de aprenderem que podem ser usados como ferramentas.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.