Os embondeiros estão a morrer e os cientistas não sabem porquê

São as árvores mais antigas do planeta, com idades entre os 1100 e os 2500 anos, e uma marca da paisagem africana. Mas há um perigo à espreita

A mais icónica das árvores africanas, o baobá, ou embondeiro, é também um dos seres vivos de maior longevidade na Terra: pode durar quase três mil anos sem sobressaltos. Muitas destas árvores - figuras imponentes com mais de 30 metros de altura que se destacam na paisagem africana - já existiam há dois ou três séculos quando Jesus nasceu. O seu futuro, porém, está ameaçado. Os embondeiros estão a morrer em vários países no sul de África, e os cientistas não sabem porquê.

O alarme soou esta semana, quando um grupo de investigadores publicou na revista Nature Plants o resultado do seu estudo de uma década sobre estas árvores africanas. A equipa internacional coordenada por Adrian Patrut, da universidade romena de Babes-Bolyai, queria perceber alguns aspetos pouco conhecidos da biologia e da fisiologia desta árvore, nomeadamente os da sua arquitetura interna oca (que lhe permite armazenar água), e também determinar com exatidão a idade dos exemplares mais antigos - nos embondeiros esta datação tem de ser feita por radiocarbono, uma vez que os seus troncos ocos não têm anéis de crescimento.

Para realizar o estudo, que se iniciou em 2005 e se prolongou até ao ano passado, os biólogos selecionaram um conjunto das 60 maiores destas árvores em vários países africanos, e foi durante o trabalho que se depararam com a misteriosa mortandade que está afetar os exemplares mais antigos da espécie, todos localizados na região mais a sul do continente, que abrange o Zimbabué, Zâmbia, África do Sul, Namíbia, Botsuana e Moçambique.

Os dados do estudo mostram que oito dos 13 embondeiros mais antigos, com idades compreendidas entre os 1100 e os 2500 anos, ou já morreram completamente, ou estão, em parte, mortas.

Por curiosidade, um dos sobreviventes neste grupo de árvores mais idosas é um velho embondeiro do Libombo, em Moçambique. Com os seus 1400 anos, continua a manter-se saudável e vigoroso. Foi, aliás, o estudo da equipa de Patrut que permitiu determinar com exatidão a idade do embondeiro de Libombo.

"O mais inesperado e intrigante [no estudo] foi a morte da maioria destas árvores mais idosas", escrevem os autores no artigo da Nature Plants. "Estatisticamente, não pode ser uma coincidência, tem de haver um fator comum", afirma Adrian Patrut. Só que esse fator é, por enquanto, um mistério.

"Estas árvores existem todas há mais de um milénio, algumas há mais de dois, passaram por momentos de extremos meteorológicos e adaptaram-se, mas é possível que as alterações climáticas tenham agora alguma coisa a ver com o problema", sugere o coordenador do estudo. "As temperaturas têm estado em média mais altas e há uma seca severa e prolongada", diz. Mas esta é só uma hipótese. Por isso, a equipa vai voltar ao trabalho, para perceber o que está a matar os embomdeiros mais antigos do planeta.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.