"O urso teve uma presença histórica muito importante no país"

Admirado pela alta nobreza e visto como um competidor pelos mais pobres, o urso pardo habitou Portugal durante séculos. Desapareceu em 1843, embora se pensasse que a sua extinção tinha ocorrido em 1650. Esta é, segundo Paulo Caetano, uma das muitas histórias contadas no livro Urso Pardo em Portugal - Crónica de uma extinção, que lançou com Miguel Brandão Pimenta.

Porquê um livro dedicado ao urso pardo?

Porque o urso é o grande predador, um predador mítico das florestas europeias. Teve uma presença histórica muito importante no país, mas sabia-se muito pouco sobre ele. Há mais de 50 anos que não existe um artigo científico de qualidade sobre a presença do urso. E nós sentimos que podíamos dar um contributo de investigação e de maior conhecimento sobre esta espécie.

O que é que se pode encontrar na publicação?

Nos três primeiros capítulos é feita a crónica da extinção. Ou seja, fazemos um retrato da presença do urso no território português, começando na pré-história, avançando pelo período romano, islâmico e alta Idade Média e entrando na história. Fomos aos documentos de foral e traçámos o percurso ao longo dos séculos. Mostramos a sua regressão. Apesar de não ser abundante, existia de norte a sul do país. E foi desaparecendo até se refugiar nas montanhas do Gerês, já no século XVII, onde - pensava a ciência - tinha desaparecido em 1650.

Mas o livro tem novos dados sobre a data da extinção...

Conseguimos demonstrar a sua existência em Portugal até ao século XIX, até 1843, data da morte do último urso encontrado em Portugal. Foi morto numa batida a 2 de dezembro, no Gerês. Na segunda parte do livro, quisemos perceber que modificações é que o território sofreu que levaram a que a espécie se tornasse cada vez mais rara e acabasse por desaparecer.

E o que levou à sua extinção?

Por um lado a caça, mas esta sempre existiu e o animal nunca desapareceu. O que de facto está na origem da extinção são as modificações no habitat, ou seja, a destruição da floresta autóctone. O urso precisa de bosques ricos, onde possa caçar ou comer animais mortos, mas também de mel, frutas silvestres. A transformação sucessiva dos bosques para monoculturas de pinhal e em terrenos de cultivo ditou o desaparecimento do urso. O tema do fogo também está muito presente neste capítulo. Muitos animais bravios desapareciam por causa do fogo que constantemente os agricultores lançavam ao monte.

A última parte do livro é dedicada ao legado. O que é que o urso nos deixou?

O legado do urso passa pela arte, pelos painéis de azulejos, pelo folclore e pelas festas populares, nas quais o urso é uma figura presente. Passa pela heráldica militar e religiosa e pela toponímia. Existem nomes de localidades de norte a sul do país que se referem ao urso.

Existem registos recentes da presença da espécie perto da fronteira?

O último urso que entrou em Portugal e acabou morto foi em 1843. Neste momento, existe nas Astúrias e uma população muito residual nos Pirenéus espanhóis e franceses, mas até ao século XIX existiam populações no centro e sul da Galiza. Possivelmente este último animal visto em Portugal veio dessas populações. Hoje em dia, a população está a crescer nas Astúrias e, em alguns casos, já colonizou o norte de Castela e da Galiza. É normal que os animais dispersem 40, 50 quilómetros, mas foram sempre avistados do lado espanhol.

Será que algum dia vamos voltar a ter a espécie em Portugal?

É muito difícil que o urso se consiga instalar. Precisa de um território grande, sossegado e rico do ponto de vista da água e dos recursos para se alimentar. Quer pela degradação da floresta quer pela perturbação das zonas montanhosas, não temos nenhum território que possa albergar de forma permanente um núcleo reprodutor de urso. Um animal pode passar a fronteira e deambular por Portugal, mas a seguir vai embora à procura de alimento ou de parceiro sexual. Para isso acontecer, tínhamos de trabalhar muito no ordenamento de território.

Como foi a relação do homem com o urso ao longo dos séculos?

No início era uma relação de admiração, pela força, grandeza e poder que representava, mas, quando o homem começa a cultivar, transforma-se em hostilidade. Não só com o urso, mas com a generalidade dos predadores, devido aos danos que causavam. A partir da alta Idade Média, era visto como um animal daninho que destruía as culturas. Mas a alta nobreza continuava a vê-lo como um animal de poder e gostava de ter o exclusivo a sua caça. Os mais pobres viam o urso como um competidor e como uma fonte importante de proteína.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)