O que sabe sobre os anos bissextos? Descubra a ciência e a superstição do 29 de fevereiro

Da luta de egos entre Júlio César e César Augusto que levou ao '29 de fevereiro' até à razão científica para a necessidade de um dia a mais

2016 é um ano bissexto, ou seja, em vez de ter 365 dias, tem 366, graças ao dia extra que surge no final do mês de fevereiro. Mas porque é necessário esse ajuste, e qual a sua história?

A razão científica para o 29 de fevereiro

O planeta Terra demora perto de 365 dias a dar a volta ao Sol - "perto" sendo a palavra de ordem. Na verdade, são 365.2422 dias, ou seja, cerca de 365 dias e um quarto. Isto faz com que, para evitar um desfasamento entre os meses do calendário e as estações do ano, seja preciso acrescentar mais um dia a cada quatro anos, para compensar os "quatro quartos" que, caso contrário, ficariam perdidos. Se não existissem anos bissextos, demoraria 750 anos até que junho marcasse o pico do inverno no hemisfério norte.

Mas apesar de tudo, a volta também não demora exatamente 365 dias e um quarto. Para compensar a pequena diferença que se mantém mesmo acrescentando um dia a cada quatro anos, é preciso tirar três anos bissextos por cada 400 anos. Quem encontrou esta solução foi o Papa Gregório XIII, no século XVI, quando introduziu o calendário gregoriano que continua a ser usado pela maioria dos países hoje em dia.

A inveja do filho adotivo de Júlio César

Porque é que fevereiro tem apenas 28 ou 29 dias, e não 30 ou 31, o que o tornaria mais semelhante aos restantes? A chave está no Império Romano. Foi sob Júlio César que foi implementado o ano bissexto a cada quatro anos - e na altura, era o mês de agosto que tinha apenas 29 dias.

Quando o poder chegou às mãos do seu filho adotivo César Augusto, após um período tumultuoso, Augusto teve inveja que o mês que recebe o seu nome, agosto, tivesse menos dias do que o de Júlio César, julho, que tinha 31. Augusto optou por redistribuir os dias de forma a dar 31 a agosto, desfavorecendo fevereiro, que ficou com 28 ou 29.

Calendários que não recorrem ao 29 de fevereiro para acertar as contas

Nem todos os países usam o calendário gregoriano, embora seja aquele cujo uso é mais generalizado. No entanto, todos têm de compensar a duração inexata de uma volta do planeta ao Sol para evitar o desfasamento das estações, e cada um tem uma solução diferente. O calendário chinês, por exemplo, acrescenta um mês inteiro aos anos bissextos. A maioria dos anos tem 12 meses e entre 353 e 355 dias, enquanto os anos bissextos têm 13 meses, e entre 383 e 385 dias. Também no calendário hindu, um mês a mais é acrescentado três a quatro vezes a cada 11 anos.

Anos bissextos e pedidos de casamento

Pelo menos desde o século XIX que existe uma tradição no Reino Unido e na Irlanda: que as mulheres só peçam os homens em casamento em anos bissextos. Nalgumas zonas, a tradição está mesmo restrita apenas ao dia 29 de fevereiro desses anos. A tradição diz que uma lei supostamente aprovada em 1288 pela rainha Margarida da Escócia (que nesse ano tinha apenas 5 anos de idade, tornando esta crença bastante improvável) dizia que se um homem recusasse um pedido de casamento num ano bissexto teria de compensar a mulher dando-lhe um par de luvas de pele, uma rosa, uma libra e um beijo.

Já na Grécia, acredita-se que casar-se num ano bissexto dá azar, assim como na Ucrânia. Na Ucrânia, a superstição deve-se ao santo associado ao dia 29 de fevereiro: São Cássio, segundo o folclore, recusou ajudar um homem cujo carrinho estava preso na lama, enquanto São Nicolau optou por ajudá-lo. Devido a essa negligência, Cássio teve direito a apenas um dia a cada quatro anos enquanto São Nicolau é venerado duas vezes por ano - isso leva, segundo se acredita na Ucrânia, a que Cássio ponha as pessoas e o gado doentes no ano bissexto. Uma especialista em folclore ucraniano disse mesmo ao Huffington Post: "Ninguém pensaria sequer em casar-se no dia 29 de fevereiro".

A esperteza de Cristóvão Colombo

Conta-se que Colombo usou um almanaque, no dia 29 de fevereiro de 1504, para o ajudar a conseguir ajuda dos habitantes da Jamaica. O navegador e a sua tripulação estavam presos na Jamaica há vários meses e a população local já não queria ajudá-los mais. Com um almanaque, Colombo soube que nessa noite, de 29 de fevereiro, haveria um eclipse lunar. Assim, Cristóvão Colombo "previu" que deus castigaria os nativos por não o ajudarem ao fazer desaparecer a Lua. Quando a população ficou assustada ao ver a previsão cumprir-se, Colombo disse que se concordassem voltar a ajudá-los, a Lua regressaria - o que, inevitavelmente, aconteceu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.