O mundo despede-se de Stephen Hawking: "Que continue a voar"

As reações à morte do físico Stephen Hawking multiplicam-se. Cientistas, astronautas, políticos e celebridades dizem adeus ao homem que investigou a Teoria do Tudo e escreveu "Breve História do Tempo"

A morte do físico britânico Stephen Hawking foi conhecida na madrugada desta quarta-feira. Tinha 76 anos e vivia desde os 21 anos com esclerose lateral amiotrófica. As reações ao seu desaparecimento, confirmado pelos três filhos, sucedem-se.

Os cientistas

"Olhem para as estrelas e não para os vossos pés", uma frase do cientista, é lembrada no site da Universidade de Cambridge, aquela onde chegou em 1962 e onde foi professor de Matemática. "O professor Hawking foi um indivíduo único que será lembrado com carinho e afeição não apenas em Cambridge, mas por todo o mundo. O seu excecional contributo para o conhecimento científico e a popularização da ciência e da matemática são um legado indelével. O seu caráter foi uma inspiração para milhões", disse o professor Stephen Toope, vice-chanceler da Universidade de Cambridge.

"Stephen não foi apenas um dos maiores cientistas da nossa era; era também um grande amigo e uma inspiração para mim, tanto pessoal como cientificamente", disse Kip S. Thorne, professor emérito de Física Teórica da Caltech, num comunicado da universidade onde Hawking deu vários seminários e fez investigação entre 1974 e 1975.

Em Portugal, o cientista Carlos Folhais lembrou um cientista que "ousou enfrentar grandes mistérios e que deixa pistas para o futuro". "É uma figura de referência para todos nós. É um exemplo de alguém que consegue exercer a capacidade do seu cérebro apesar de todas as limitações do seu corpo (...) É alguém que ousou enfrentar grandes mistérios, como o início do Mundo, o 'Big Bang' e os buracos negros", destacou à Lusa Carlos Fiolhais.

Tim Peake, astronauta britânico da Agência Espacial Europeia, escreveu no Twitter que Hawking "inspirou gerações a olhar para lá do planeta azul e expandir o nosso conhecimento do universo. A sua personalidade e génio vão deixar saudades".

Às 5.00, hora portuguesa, a NASA somou-se aos que lamentam a perda de Stephen Hawking, via Twitter. "Que continue a voar como o super-homem na microgravidade, como disse aos astronautas na Space Station em 2014"

Os políticos

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, lamentou a morte de Stephen Hawking, considerando que o físico britânico deixa um legado de persistência de vida e sobretudo um maior conhecimento do universo.

À Lusa, Manuel Heitor salientou que Stephen Hawking deu ao mundo um maior conhecimento do universo, mas também mostrou a cientistas e não cientistas a sua persistência de viver e de estar sempre a questionar.

"Ele questionou-se inclusive a ele próprio. Por exemplo: quando há uns anos, em 2010, veio repor toda a sua teoria sobre o universo e os buracos negros mostrou que faz parte de fazer ciência estar sempre a questionar e a fazer novas perguntas. Hoje estar no mundo é saber fazer as perguntas mais difíceis mesmo que não tenhamos respostas imediatas para elas e por isso é um exemplo para todos, certamente para os mais jovens e é uma lição de vida que vale a pena viver e vale a pena ter boas ideias", destacou.


"O professor Stephen Hawking foi uma mente brilhante e extraordinária, um dos maiores cientistas da sua geração", escreveu Theresa May, chefe do governo britânico na rede social Twitter.

Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, citou Hawking: "Importa se não desistires".

Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia, lembrou o "trabalho pioneiro" que fez do "mundo um lugar melhor".

Os que partilharam com ele o ecrã de televisão e do cinema

"Perdemos uma mente verdadeiramente bela, um incrível cientista e o homem mais divertido que algum dia tive o prazer de conhecer", disse em comunicado Eddie Redmayne, o ator que deu vida à personagem de Stephen Hawking no filme Teoria do Tudo, e por este desempenho ganhou um Óscar de Melhor Ator.

A atriz Mayim Bialik publicou no Twitter uma fotografia de Stephen Hawking com o elenco da série Teoria do Big Bang. O cientista fez várias participações contracenando com Tim Parsons, o ator que interpreta Sheldon Cooper.

Neurocientista além de atriz, Mayim Bialik disse juntar-se ao "luto global pela perda do maior físico da nossa era", "à medida que nos aproximamos do Dia do Pi (3.14)".

Larry King lembrou uma pergunta nas suas entrevistas: O que o surpreende mais no universo. Resposta: As mulheres.

Os artistas

A conta oficial dos Foo Fighters cita o físico, enquanto a cantora Katy Perry disse que Hawking deixou um grande buraco negro no nosso coração.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.