O mundo despede-se de Stephen Hawking: "Que continue a voar"

As reações à morte do físico Stephen Hawking multiplicam-se. Cientistas, astronautas, políticos e celebridades dizem adeus ao homem que investigou a Teoria do Tudo e escreveu "Breve História do Tempo"

A morte do físico britânico Stephen Hawking foi conhecida na madrugada desta quarta-feira. Tinha 76 anos e vivia desde os 21 anos com esclerose lateral amiotrófica. As reações ao seu desaparecimento, confirmado pelos três filhos, sucedem-se.

Os cientistas

"Olhem para as estrelas e não para os vossos pés", uma frase do cientista, é lembrada no site da Universidade de Cambridge, aquela onde chegou em 1962 e onde foi professor de Matemática. "O professor Hawking foi um indivíduo único que será lembrado com carinho e afeição não apenas em Cambridge, mas por todo o mundo. O seu excecional contributo para o conhecimento científico e a popularização da ciência e da matemática são um legado indelével. O seu caráter foi uma inspiração para milhões", disse o professor Stephen Toope, vice-chanceler da Universidade de Cambridge.

"Stephen não foi apenas um dos maiores cientistas da nossa era; era também um grande amigo e uma inspiração para mim, tanto pessoal como cientificamente", disse Kip S. Thorne, professor emérito de Física Teórica da Caltech, num comunicado da universidade onde Hawking deu vários seminários e fez investigação entre 1974 e 1975.

Em Portugal, o cientista Carlos Folhais lembrou um cientista que "ousou enfrentar grandes mistérios e que deixa pistas para o futuro". "É uma figura de referência para todos nós. É um exemplo de alguém que consegue exercer a capacidade do seu cérebro apesar de todas as limitações do seu corpo (...) É alguém que ousou enfrentar grandes mistérios, como o início do Mundo, o 'Big Bang' e os buracos negros", destacou à Lusa Carlos Fiolhais.

Tim Peake, astronauta britânico da Agência Espacial Europeia, escreveu no Twitter que Hawking "inspirou gerações a olhar para lá do planeta azul e expandir o nosso conhecimento do universo. A sua personalidade e génio vão deixar saudades".

Às 5.00, hora portuguesa, a NASA somou-se aos que lamentam a perda de Stephen Hawking, via Twitter. "Que continue a voar como o super-homem na microgravidade, como disse aos astronautas na Space Station em 2014"

Os políticos

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, lamentou a morte de Stephen Hawking, considerando que o físico britânico deixa um legado de persistência de vida e sobretudo um maior conhecimento do universo.

À Lusa, Manuel Heitor salientou que Stephen Hawking deu ao mundo um maior conhecimento do universo, mas também mostrou a cientistas e não cientistas a sua persistência de viver e de estar sempre a questionar.

"Ele questionou-se inclusive a ele próprio. Por exemplo: quando há uns anos, em 2010, veio repor toda a sua teoria sobre o universo e os buracos negros mostrou que faz parte de fazer ciência estar sempre a questionar e a fazer novas perguntas. Hoje estar no mundo é saber fazer as perguntas mais difíceis mesmo que não tenhamos respostas imediatas para elas e por isso é um exemplo para todos, certamente para os mais jovens e é uma lição de vida que vale a pena viver e vale a pena ter boas ideias", destacou.


"O professor Stephen Hawking foi uma mente brilhante e extraordinária, um dos maiores cientistas da sua geração", escreveu Theresa May, chefe do governo britânico na rede social Twitter.

Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, citou Hawking: "Importa se não desistires".

Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia, lembrou o "trabalho pioneiro" que fez do "mundo um lugar melhor".

Os que partilharam com ele o ecrã de televisão e do cinema

"Perdemos uma mente verdadeiramente bela, um incrível cientista e o homem mais divertido que algum dia tive o prazer de conhecer", disse em comunicado Eddie Redmayne, o ator que deu vida à personagem de Stephen Hawking no filme Teoria do Tudo, e por este desempenho ganhou um Óscar de Melhor Ator.

A atriz Mayim Bialik publicou no Twitter uma fotografia de Stephen Hawking com o elenco da série Teoria do Big Bang. O cientista fez várias participações contracenando com Tim Parsons, o ator que interpreta Sheldon Cooper.

Neurocientista além de atriz, Mayim Bialik disse juntar-se ao "luto global pela perda do maior físico da nossa era", "à medida que nos aproximamos do Dia do Pi (3.14)".

Larry King lembrou uma pergunta nas suas entrevistas: O que o surpreende mais no universo. Resposta: As mulheres.

Os artistas

A conta oficial dos Foo Fighters cita o físico, enquanto a cantora Katy Perry disse que Hawking deixou um grande buraco negro no nosso coração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".