O misterioso caso da mulher que sua sangue

Médicos perplexos com fenómeno ocorrido em jovem de 21 anos. Sem feridas ou lesões cutâneas, alega suar sangue do rosto e das palmas das mãos há vários anos

Uma mulher italiana de 21 anos, sem feridas ou lesões cutâneas, apareceu num posto médico queixando-se de suar sangue do rosto e das palmas das mãos há três anos, um fenómeno chamado hematidrose.

De acordo com os relatos, constantes num artigo de dois investigadores da Universidade de Florença publicado no Canadian Medical Association Journal, o sangramento geralmente começava enquanto a jovem dormia ou durante a atividade física, durava entre um a cinco minutos e aumentava de intensidade com o stress, embora não fosse identificado nenhum orifício de onde o sangue pudesse sair.

O problema terá mesmo causado danos na saúde mental da mulher, de acordo com os médicos que vigiam. "O nosso paciente isolou-se socialmente devido a este constrangimento e deu conta de sintomas consistentes de depressão e pânico", escreveram Roberto Maglie e Marzia Caproni.

De acordo com o historiador e hematologista canadiano Jacalyn Duffin, foram registados cerca de 25 casos semelhantes em todo o mundo ao longo dos últimos 15 anos.

Exclusivos

Premium

Entrevista a Victor Ângelo

"Há uma competição muito grande entre os EUA e a China e vai agravar-se"

Victor Ângelo foi o mais alto funcionário português nas Nações Unidas, chegando ao nível de secretário-geral adjunto. Representou a organização em vários países de África e preocupa-o o futuro de um continente em que os jovens querem emigrar. Analisa o risco da crescente competição entre as grandes potências.

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?