Nasceu um bebé de um embrião congelado há 24 anos

É o embrião criopreservado durante mais tempo a resultar num parto bem sucedido

Emma Wren é nome deste "milagre", como lhe chama o pai. A bebé nasceu de um embrião congelado há 20 anos, nos Estados Unidos. Trata-se do embrião mais antigo a resultar num parto bem sucedido. O anterior recordista era um embrião congelado há 20 anos, embora estas informações não estejam registadas oficialmente.

"Eu só queria um um bebé. Não quero saber se é um record do mundo ou não", comentou a mãe à CNN.

A bebé nasceu em novembro e a mãe, de 26 anos, tem apenas mais dois anos que o embrião da filha. "Poderíamos ter sido as melhores amigas", terá comentado Tina Gibson, que teria apenas 18 meses quando o embrião da filha foi criopreservado, a 14 de outubro de 1992.

"Emma é um milagre tão doce", afirmou o pai, citado por um comunicado do centro médico da Universidade do Texas. "Acho que é perfeita para estar tanto tempo congelada", acrescentou Benjamin Gibson.

Para a equipa que trabalhou neste caso, é gratificante ver um embrião como este ganhar vida ao fim de tanto tempo, sobretudo tendo em conta que na época as técnicas de criopreservação não estavam tão desenvolvidas. Além disso, esperam que este exemplo venha a persuadir outros casais que congelaram embriões a doá-los para que outras famílias inférteis possam vir a ter filhos. A alternativa, segundo os investigadores do centro, é doar os embriões para investigação, descongelando-os e permitindo que morram, ou então deixá-los criopreservados indefinidamente.

Tina e Benjamin Gibson, que já acolhiam crianças, foram alertados para a existência dos chamados "snow babies" pelo pai dela, que ouviu falar disso nas notícias. No imediato, o casal ignorou a dica, mas depois ficou a pensar no assunto. Até que decidiram candidatar-se.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.