NASA vai enviar o primeiro helicóptero a Marte

Aparelho do tamanho de um drone vai sobrevoar o Planeta Vermelho em 2020

A NASA anunciou esta sexta-feira a intenção de enviar em 2020 o primeiro helicóptero para Marte, aproximadamente do tamanho de um drone, para aprofundar o conhecimento daquele planeta.

O aparelho pesa menos de 1,8 quilos e foi batizado de "O Helicóptero de Marte", estando prevista que a sua missão seja realizada em conjunto com um robô sobre rodas que deve estudar a habitabilidade do planeta vermelho, procurar sinais de vida antiga e avaliar os recursos naturais, bem como os riscos para futuros exploradores humanos.

O lançamento está previsto para julho de 2020 e a sua chegada para fevereiro de 2021.

"A NASA tem orgulho na sua História, como pioneira", salientou o patrão da agência espacial norte-americana, Jim Bridenstine, em comunicado.

"A ideia de um helicóptero a voar no céu de um outro planeta é entusiasmante", adiantou.

Este projeto teve início em outubro de 2013, como um projeto de desenvolvimento de um dos laboratórios da NASA, o Jet Propulsion Laboratory.

O helicóptero vai estar equipado com "painéis solares para recarregar as suas baterias de lítio e com um dispositivo de aquecimento para o preservar das noites frias marcianas", explicou Mimi Aung, chefe do projeto.

Para a NaSA, este desafio corresponde a "uma proeza de grandes riscos e de grandes repercussões".

Em caso de sucesso, pode inspirar futuras explorações em Marte, uma vez que deverá sobrevoar locais inacessíveis a outros veículos.

"A capacidade de ver claramente o que está por detrás da próxima colina é crucial para os futuros exploradores", destacou um dos responsáveis da agência espacial, Thomas Zurbuchen.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.