Mundo Jurássico está errado: dinossauros não punham a língua fora da boca

Investigação publicada na Plos One demonstra que as línguas dos dinossauros se assemelhavam às dos crocodilos e estava presa à base da boca.

As imagens de dinossauros enfurecidos, de dentes aguçados e língua esticada, como as do filme Mundo Jurássico, têm-se repetido em exposições e nas salas de cinema nos últimos 25 anos. Mas estas cenas têm apenas um pequeno problema: é que os dinossauros não conseguiam pôr a língua fora da boca, como os lagartos. Um estudo realizado pela Academia de Ciências da China e a Universidade do Texas, nos Estados Unidos da América, demonstra que as línguas destes animais se assemelhavam mais às dos crocodilos e estava presa à base da boca.

Os investigadores compararam os ossos hióides - que ficam entre a laringe e a base da língua - de crocodilos e aves modernas com os dos seus antepassados extintos e chegaram à conclusão que o voo pode ter ajudado ao desenvolvimento da língua nesses animais. O estudo, publicado agora na revista Plos One, mostra que esses ossos eram semelhantes entre os dinossauros e os crocodilos e jacarés, ou seja, curtos, simples e ligados a uma língua que não era muito móvel.

Análise que leva Julia Clarke, co-autora da investigação, a afirmar que as reconstruções cinematográficas ou em exposições temáticas que mostram dinossauros com longas línguas a sobressair das suas mandíbulas estão erradas. "E andam a ser recriados da forma errada há muito tempo", acrescenta a professora da universidade texana. "Na maior parte dos dinossauros, os ossos das suas línguas eram demasiado pequenos. E nos crocodilos com ossos hióides semelhantes, a língua está completamente fixa na base da boca".

Os dinossauros andam a ser recriados da forma errada há muito tempo

Já no caso dos seus parentes voadores, a história parece ser diferente. Os pterossauros, répteis voadores do período Mesozóico, e as aves atuais apresentam uma grande diversidade de tamanhos de ossos hióides, o que os cientistas pensam dever-se à habilidade de voar. Isto porque para caçar nos céus, e não podendo usar as mãos, que se transformaram em asas, os animais tiveram de desenvolver as suas línguas.

"Se não se consegue usar a mão para manipular a presa, a língua torna-se muito mais importante para manipular a comida", explica Zhiheng Li, autora principal do estudo. "As aves, em geral, desenvolveram a sua estrutura da língua de uma forma notável", acrescenta Julia Clarke.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.